Margaret Mee: documentário retrata vida e obra da artista

Ela trocou o meio acadêmico inglês pela selva amazônica. No Brasil, realizou 15 expedições à maior floresta tropical do mundo, descobriu plantas, pintou flores e, mais do que isso, denunciou a destruição da Amazônia. Sua história está retratada no documentário “Margaret Mee e a Flor da Lua”, que estreia em 26/04 em nove capitais brasileiras.

{txtalt}

Considerada uma das mais importantes artistas do século XX, a ilustradora botânica inglesa Margaret Mee já encantou muita gente ao redor do mundo com sua história e não foi diferente com a cineasta Malu de Martino. Fascinada pela vida da Dama das Flores, como era conhecida, a diretora de cinema filma desde 2010 o documentário Margaret Mee e a Flor da Lua*, que estreia este mês no Brasil.

Baseado nos diários da artista inglesa e, também, em depoimentos de pessoas próximas a ela, o longa-metragem retrata a vida e a obra de Margaret Mee. História é o que não falta para contar ao público: nascida na Inglaterra, em 1909, a ilustradora botânica veio para o Brasil aos 43 anos e se apaixonou pela Amazônia.

Durante as mais de três décadas que passou no Brasil, Mee realizou 15 expedições à floresta, onde enfrentou doenças, falta de alimentos, abandono em uma aldeia indígena e ataques de insetos, mas também descobriu plantas, pintou flores de um jeito inovador e, mais do que isso, denunciou a destruição do bioma, em uma época em que a questão ainda não era vista como um problema.

retrata a diversidade da flora que compõe a floresta amazônica (Foto: Divulgação/SEC)
Entre outros episódios da vida de Margaret, o documentário mostra a última expedição que a ilustradora botânica fez à Amazônia, com 79 anos, quando imortalizou sua arte ao retratar um evento nunca antes documentado: o desabrochar da Flor da Lua (Strophocactus Wittii), um cacto nativo do bioma que floresce e morre em, apenas, uma noite. Viver esse momento, que não por acaso inspirou o título do longa-metragem, era um dos grandes sonhos de Mee, que morreu no mesmo ano em que presenciou o fenômeno natural.


Com produção de Elisa Tolomelli e narração de Patrícia Pillar, o documentário Margaret Mee e a Flor da Lua estreia em 26/04 em nove capitais brasileiras: São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba, Florianópolis, Porto Alegre, Brasília, Salvador, Maceió e João Pessoa. Assista, abaixo, ao trailer do filme:

Fonte:http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia/cultura/documentario-margaret-mee-flor-lua-737686.shtml

Pequenas Atitudes Sustentáveis Diárias Ajudam o Planeta e Bolso

Atitudes Sustentáveis

Atitudes sustentáveis no dia a dia não são boas apenas para o planeta, mas também ajudam a reduzir custos domésticos. A conscientizaçãosobre a diminuição do consumo de água e energia elétrica em nossas residências pode representar uma redução de 15% nas contas.

Veja a seguir algumas atitudes sustentáveis simples que podem ser praticadas em casa:

Água:

– Diminua o tempo no banho. Você pode desligar o chuveiro para ensaboar-se;Torneira Pequenas Atitudes Sustentáveis Diárias Ajudam o Planeta e Bolso

– Evite deixar a torneira aberta ao escovar os dentes ou fazer a barba;

– Conserte vazamentos e torneiras que não fecham adequadamente;

– Troque vasos sanitários que tenham sistemas de descarga antigos pelos atuais,                                                                   que são mais potentes e consomem menos;

– Lave os carros utilizando balde e esponja em vez de mangueiras;

– Espere juntar uma maior quantidade de louça na pia para lavar tudo de uma única vez;

– Utilize a capacidade máxima da máquina de lavar roupas para evitar desperdício.

Energia:

– Retire os aparelhos eletrônicos das tomadas quando não estiverem em uso;

– Junte mais roupas na hora de passar, utilizando o ferro elétrico de uma só vez;Energia Pequenas Atitudes Sustentáveis Diárias Ajudam o Planeta e Bolso

– Desligue o monitor do computador quando estiver em modo espera;

– Use o ar-condicionado com portas e janelas fechadas;

– Dê preferência a lâmpadas fluorescente, que gastam menos energia e duram mais tempo;

– Instale sensores de presença, assim, quando um cômodo estiver vazio, as luzes se apagarão automaticamente;

– Prefira os aparelhos eletrônicos com eficiência na utilização de energia, aqueles que possuem a certificação Procel do Inmetro.

Pequenas Atitudes Sustentáveis Diárias Pequenas Atitudes Sustentáveis Diárias Ajudam o Planeta e Bolso

Todas essas atitudes sustentáveis favorecem a redução do consumo desnecessário de recursos naturais. Porém, nossa conscientização ambiental pode ir além dos gastos com água e energia. Reduzir o consumo de gás de cozinha, deixando as panelas tampadas, e o consumo de gasolina ou etanol, dando preferência ao transporte público, traz um benefício adicional ao nosso planeta e ao nosso bolso.

Fonte: http://www.atitudessustentaveis.com.br/conscientizacao/pequenas-atitudes-sustentaveis-diarias-ajudam-planeta-bolso/

22 de Abril – Dia Mundial da Terra

Em 22 de abril de 1970 cerca de 300 mil norte-americanos participaram do “Dia da Terra”, a maior manifestação ambientalista da história. Esse ato tornou o tema – Meio Ambiente (cuidado e respeito pela natureza) – um tema público e político. Vale lembrar que naquela época existiam poucas regulamentações, cobranças, informações, internet, ONG’s e por ai vai…e mesmo assim conseguiram reunir 300 mil pessoal em prol de um planeta que esta aqui a mais de 4,5 bilhões de anos! Impressionante, não? Seria hoje possível 300 mil pessoas pela Terra, ou Política? Não! Mas pela novela, big brother, futebol… 300 mil seria pouco para esse povo brasileiro…

Terra e Sol visto do espaço - grist.org

Talvez um coisa dos hippies, influenciados pelo Woodstock, mas fato é que não deveríamos ter uma data para pensar em respeitar o planeta que nos acolhe. Não deveríamos estipular um dia do dos 365 para isso. Esse respeito e admiração tem que ocorrer todos os dias! Hoje, 22 de abril você para, pensa, reflete, fala sobre, e depois? Nada? Na real, isso é bem estranho. Hoje, 22 de abril veremos muitas manifestações, publicações, ode ao amor à Terra, preocupação, idolatria, lembranças que devemos cuidar, preservar, amar, respeitar e louvar o nosso planeta. Lindo! E depois? E os outros 364 dias?

E, será que é com o Planeta Terra que devemos nos preocupar, ou será que devemos nos preocupar com a nossa espécie? Vamos lá…4,5 bilhões anos contra 100, 200 mil anos que o homem habita essa bela e linda bola azul…Terremotos, aquecimento, movimento de placas tectônicas, tempestades magnéticas, inversão magnética dos polos, degelo, meteoros, inundações…a Terra já passou por muita coisa e continua linda e esbelta andando por ai…Já a humanidade…

Lindo é, lindo são manifestações de amor por algo ou alguém, contudo, entretanto, porém…como queremos cuidar dessa bola azul linda e bela se mal conseguimos cuidar da nossa espécie? Princípio da responsabilidade, responsabilidade compartilhada…fazemos leis já que não sabemos lidar com as coisas… E falando em coisa…aja coisa que temos que foi retirada da natureza não é?…E queremos falar em Dia da Terra…hummm estranho não? É esse cuidado que entra a espiritualidade com a sustentabilidade. Seria interessante cuidar primeiro da gente, para ai pensar no próximo…

Acho interessante lembrarmos disso ou daquilo…Dia da Água, Dia da Terra, Dia de Aniversário, Dia dos Pais, das Mães, Consciência Negra e por ai vai…Acho que temos tantos dias, de tantas coisas/pessoas pelo simples fato de serem coisas de mais, e seria impossível levar a vida e se lembrar disso tudo. Trabalhar pra pagar as contas, colocar comida na mesa, se divertir, ver novela, beber, pagar imposto, viajar, se endividar, cuidar do filho, pegar ônibus, ficar no trânsito…Querendo ou não, essas datas fixas nos fazem (ou deveriam propiciar) uma auto-reflexão pelo tema do dia! E tirando o fato que isso mexe com a economia e sentimento…então…

Boas reflexões e Feliz dia da Terra!!! O que você vai fazer por ela hoje (apenas hoje hein!).

Assine a Petição Salve a Amazônia

A Liga das Florestas precisa de heróis. A fauna e a flora brasileiras estão em risco, e com elas o futuro do Brasil. Mas você pode ajudar a salvá-los. O Greenpeace lança, com outras organizações, um projeto de lei popular pelo desmatamento zero de nossas matas. Ao assinar a petição no site, e ao compartilhar e estimular seus amigos a fazerem o mesmo, você acumula pontos, ajuda a proteger um dos ben250x250s mais preciosos que o Brasil possui e ainda ganha prêmios. Participe!

http://www.ligadasflorestas.org.br/

1 Salvar as florestas é mais do que uma obrigação dos brasileiros – é um direito. Você pode escrever a história e conservar o patrimônio ambiental do país ao apoiar a proposta de lei do desmatamento zero, que visa a evitar grandes desmatamentos e o aumento das áreas degradadas.

2Uma lei popular precisa de 1,4 milhão de assinaturas de eleitores para ser aceita pelo Congresso. É o primeiro obstáculo de um tortuoso caminho político, que parece feito para evitar que a voz do povo chegue aos círculos do poder em Brasília. Mas nós do Greenpeace vemos obstáculos como incentivos, e convidamos você a fazer o mesmo.

3Você é a favor do desmatamento da Amazônia e das outras florestas brasileiras? Nem a gente. O Brasil já tem área desmatada suficiente para dobrar sua produção de alimentos; basta que o campo receba investimentos em eficiência na produção e recuperação de áreas desmatadas. É para isso que servirá a lei do desmatamento zero.

4Ajude a salvar as florestas do Brasil com o reforço dos seus amigos, e ainda entrar em uma competição emocionante para ganhar uma camisetas e kit com suvenirs do Greenpeace – é uma forma divertida de exercer a cidadania.

Jaime Prades faz arte com ‘lixo’ na exposição Osso

A partir de 19/04, em São Paulo, a exposição Osso reúne cerca de 40 obras do acervo do artista

Jaime Prades feitas, em sua maioria, a partir da reutilização de materiais. Entre elas, a instalação

que dá nome à mostra, produzida com restos de madeira, ferro e plástico para evidenciar a

“fratura entre homem e natureza” na atual sociedade de consumo

Vem aí mais uma exposição do artista plástico espanhol, naturalizado brasileiro, Jaime Prades: a partir de 19/04, a mostra Osso apresenta ao público cerca de

40 obras do acervo do profissional – entre pinturas, esculturas e objetos -, que são, em sua maioria, inéditas e feitas a partir da reutilização de materiais.

A ideia é utilizar a arte para provocar a reflexão a respeito da voracidade da cultura de consumo. “É uma forma poética e delicada de dizer que o que descartamos econsideramos desprovido de qualquer valor, se olhado com outro espírito – ou com o espírito – pode nos dizer coisas que nem imaginamos”, explica Jaime Prades.

O destaque da mostra é a instalação Osso, que inclusive dá nome à exposição. Feita com restos de madeira, ferro e plástico, ela é composta por três ilhas que representam a terra, a água e a atmosfera e que interagem entre si, se completando. A intenção é evidenciar a fratura que existe entre homem e natureza na atual sociedade de consumo.

Gratuita, a exposição Osso fica aberta ao público até 08/06 no Espaço Cultural Instituto Cervantes. A mostra ainda integrará a programação da Virada Sustentável 2013, que acontece durante três dias, a partir de 06/06, na cidade de São Paulo.

EXPOSIÇÃO OSSO
Data: 19/04 a 08/06
Horário: de terça a sexta, das 14h às 22h, e aos sábados, das 9h às 15h
Local: Espaço Cultural Instituto Cervantes
Endereço: Av. Paulista, 2439, Consolação – São Paulo/SP
Entrada gratuita

fonte: http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia/cultura/jaime-prades-arte-lixo-exposicao-osso-virada-sustentavel-2013-736961.shtml