Educação e Sustentabilidade: Lançamento do GAIA Escola em Brasília

Sob coordenação do educador português José Pacheco (Escola da Ponte), programa propõe a reconfiguração da prática pedagógica.  Uma iniciativa inovadora que preza a sustentabilidade como um caminho pedagógico. 

Uma roda de conversa com o educador português José Pacheco marca o lançamento em Brasília do GAIA ESCOLA – Construindo Comunidades de Aprendizagem para um Mundo Sustentável, programa de formação desenhado para oferecer a educadores formais e informais um novo saber-fazer pedagógico.

gaia-escola-brasilia

Inédito na proposta pedagógica, o programa de 390 horas terá atividades presenciais na Escola Classe 115 Norte, a distância via plataforma Moodle personalizada, além de vivências imersivas no Centro de Referência de Educação Ambiental do SINPRO-DF, possibilitando ao participante explorar um intenso processo de transformação pessoal e profissional.

Uma realização da Eco-Habitare Projetos, o GAIA Escola integra o Projeto da Escola da Ponte, referência mundial em inovação pedagógica, e o Programa Educação Gaia – Design para Sustentabilidade. Entre os parceiros do programa estão, além do GAIA Education, a GEN – Global Ecovillage Network, Ateliê Casa Mãe e Ecobairro.  A coordenação pedagógica é de José Pacheco.

A iniciativa alinha-se ao desafio apontado pela Unesco de, no período 2015-2030, incorporar no currículo escolar conceitos de sustentabilidade, formar professores e mobilizar a juventude para uma educação para o desenvolvimento sustentável.

“A proposta do GAIA Escola é de reconfiguração da prática pedagógica, trabalhando com as dimensões da sustentabilidade”, explica a educadora e arquiteta e urbanista Cláudia Passos Sant’Anna, uma das tutoras do programa. “Para nós é muito importante que esteja acontecendo dentro de uma escola pública, e ainda mais na Escola Classe 115 Norte, que já está fazendo uma transformação”, diz.

Cláudia afirma que a intenção é formar multiplicadores locais para fazerem mudanças dentro das escolas. “A ideia é que cada educador seja um ‘vírus’ de mudança dentro da sua unidade de ensino. Queremos criar uma grande onda de apoio e multiplicação e atingir as 651 escolas do Distrito Federal”, diz a educadora.

Fonte : http://www.ecobrasilia.com.br/