Richard Louv: ‘Pediatras estão começando a prescrever natureza’

“As experiências no mundo natural oferecem grandes benefícios para a saúde psicológica e física, e para a capacidade de aprender de crianças e adultos”

Em recente passagem pelo Brasil, o jornalista e ativista Richard Louv, que é autor de nove livros, e fundador da Children & Nature Network, participou do I Seminário Criança e Natureza e convocou famílias, educadores, formuladores de políticas públicas e gestores públicos a partirem para a ação. “A consciência [em relação à importância do contato com a natureza] tem crescido ao longo da última década, mas precisamos avançar mais rapidamente para um modo de ação”.

O Catraquinha conversou com ele sobre caminhos para aproximar famílias da natureza, educação infantil, políticas públicas inovadoras, cidades para crianças e muito mais, confira:

Você é jornalista, como escolheu sua causa e tornou-se um ativista?

Richard Louv: Eu cresci em Missouri e no Kansas, e sempre passei muito tempo com meu cachorro no bosque que havia no entorno do local onde morávamos. Por isso, pude perceber, ainda menino, o quanto esse tipo de experiência era importante. No começo dos anos 80, durante minha pesquisa para um livro, entrevistei por volta de três mil crianças e seus pais por todos os Estados Unidos, nos centros urbanos, periferias e áreas rurais. E o tema da relação das crianças com a natureza sempre vinha à tona, tanto nas salas de aula, quanto nas casas das famílias.  Eu não pude deixar de notar a crescente separação entre o jovem e o mundo natural, e as implicações sociais, espirituais, psicológicas e ambientais desta mudança. E, por fim, havia as perguntas dos meus próprios filhos sobre as mudanças que eles mesmos observavam.

Poderia mencionar algum estudo científico importante que mostre evidências de que brincar na natureza impacta positivamente a saúde e o desenvolvimento das crianças?

Richard Louv: As pesquisas sobre o tema têm se expandido muito nos últimos anos. O mundo acadêmico está olhando para esse assunto há pouco tempo, então a maioria das evidências é de co-relação, não causal, embora haja uma tendência de apontar para uma direção: de que as experiências no mundo natural oferecem grandes benefícios para a saúde psicológica e física, e para a capacidade de aprender de crianças e adultos.

As pesquisas sugerem fortemente que o tempo na natureza pode ajudar muitas crianças a aprender a construir a confiança em si mesmos; reduzir os sintomas de Déficit de Atenção e Hiperatividade; acalmar crianças e ajudá-las a se concentrar.

Escolas com espaços para brincadeiras e aprendizado ao ar livre impactam positivamente os resultados acadêmicos das crianças. Há, também, indícios de que as brincadeiras ao ar livre podem reduzir o bullying, assim como obesidade infantil e excesso de peso, por oferecerem outros benefícios para a saúde psicológica e física.

O tempo gasto na natureza não é, obviamente, uma cura para tudo, mas pode ser uma grande ajuda, especialmente para as crianças que são forçadas por circunstâncias além de seu controle.

Qual é a sua opinião sobre a pediatria contemporânea?

Richard Louv: Os pediatras estão entre os profissionais de saúde mais abertos à ideia de atividade natureza como uma forma de terapia e prevenção de problemas de saúde. Eles estão começando a “prescrever” a natureza. O Dr. Robert Zarr , de Washington criou um extenso banco de dados sobre parques urbanos da lá para compartilhar com outros pediatras que queiram indicar para as famílias.

Há alguma política pública que você considere inovadora e que contribua para aproximar as famílias da natureza? 

Richard Louv: Estamos vendo progresso. Um exemplo é a “Every kid in a Park” (Toda criança em um Parque, em tradução livre), uma política pública do governo americano, que oferece um passe anual gratuito para qualquer parque nacional para crianças e suas famílias. Também estamos vendo os pediatras “prescreverem” a natureza para as famílias. Em Washington, em 2012, a União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN) aprovou uma resolução declarando é um direito de toda criança ter uma ligação positiva com a natureza.

Na sua opinião, como seria a cidade perfeita para a infância?

Richard Louv: Uma em que nossas vidas estivessem tão imersa na natureza todos os dias como estamos imersos na tecnologia. Não há uma cidade perfeita, ainda. A Children & Nature Network está em uma nova parceria com a Liga Nacional de Cidades, com uma adesão de mais de 19 mil prefeitos e outras autoridades municipais,  com o objetivo de determinar o que constitui uma cidade rica em natureza, determinar parâmetros para avaliar e acompanhar a evolução dessas cidades, e capacitar futuros prefeitos e outros líderes cívicos. Eu gostaria de desafiar cada uma das cidades do Brasil a desafiarem a si mesmas a se tornarem a melhor cidade do país para crianças e natureza – ou a cidade mais rica em natureza no mundo.

Como a educação infantil pode contribuir para trazer as crianças mais perto da natureza?

Richard Louv:  Além da pesquisa que eu mencionei anteriormente, outros estudos têm relatado, escolas que usam salas de aula ao ar livre, ganhos no aprendizado das crianças em diferentes matérias e também melhorias em habilidades relativas à resolução de problemas, pensamento crítico e tomada de decisão melhorada. Além disso, há estudos que sugerem que o tempo em ambientes naturais também estimula a criatividade das crianças.

crianca_e_natureza_2

Em 2005 você lançou o ” Transtorno Nature Defict “, desde então se tornou uma voz importante disseminar esse conceito . Que progressos foram alcançados? E o que você espera alcançar?

Richard Louv:  Estou animado com o progresso em todo o mundo, da China para os EUA para o Brasil. No Brasil, o Instituto Alana, lançou o seu mais novo projeto,Criança e Natureza, que será um ponto focal de ações e debates sobre o tema. Mas, em última análise, nosso progresso será medido menos pelo número de programas e mais pela extensão da mudança cultural. Tenho o prazer de informar que, em 2012, a União Internacional para a conservação da natureza (IUCN) aprovou uma resolução declarando que toda criança tem o direito humano a uma conexão positiva com a natureza.

 

FONTE: https://catraquinha.catracalivre.com.br/geral/defender/indicacao/richard-louv-pediatras-estao-comecando-prescrever-natureza/

 

Brincar é universal: brincadeiras tradicionais de vários estados

Elástico, corda, esconde-esconde, pião, amarelinha, casinha e pega-pega. Essas brincadeiras já fizeram parte da sua infância e provavelmente ainda fazem parte da vida dos seus filhos. Mas você sabia que cada região possui uma brincadeira típica?

Uma criança que mora em São Paulo provavelmente não brinca das mesmas coisas que uma criança de do Ceará, Espirito Santo e Acre, mas existem brincadeiras que resistiram ao tempo e atravessaram gerações. Para provar isso, alguns projetos já se dispuseram a documentar e difundir as brincadeiras das diversas regiões do Brasil. É o caso do “Mapa do Brincar” e do “Território do Brincar” que viajaram o país para documentar as culturas da infância.

Para que essas brincadeiras não caiam em extinção e sigam encantando crianças e adultos, Catraquinha e Passatempo sugerem uma lista de brincadeiras tradicionais para conhecer e brincar. Relacionar-se com essas brincadeiras é importante para conhecer de onde viemos e a cultura de cada região.  As crianças aprendem, ainda, a dividir, cooperar, ganhar ou perder.

Brincadeiras de vários cantos do país.

Confira

Região Norte
Batatinha frita – brincadeira do Rio Branco, no Acre

Todos pulam e cantam a música “Batatinha frita/Frita na manteiga, 1, 2, 3 / Se mexer vai para o xadrez”. Quando ela termina, as crianças têm que ficar como estátuas, porque quem se mexe sai da brincadeira e vai para o xadrez. Ganha quem conseguir ficar completamente parado até a música começar de novo.

Região Nordeste
Brincadeira de Elástico

Em Acupe (BA), o elástico é feito com vários pedaços de pano amarrado. Dá para brincar com duas, três, quatro ou mais pessoas. É preciso ter agilidade para saber o momento exato que de deve saltar, pisar e enroscar os pés no elástico. Confira o vídeo registrado pelo Território do Brincar.

Região Sudeste
Múmia em ação – brincadeira que se originou em Pontalinda, São Paulo

Um participante vai jogando a bola para o outro e ninguém pode deixar a bola cair. Quando uma pessoa deixa a bola cair pela primeira vez, ela fica “doente”.
Se deixar cair uma segunda vez, ela “morre”. Na terceira vez, a pessoa “vira a múmia”. Quem vira múmia tem que pegar a bola e tentar acertar algum participante. Se ela acertar, o participante que foi queimado sai da brincadeira. Se errar, quem sai é a múmia. Quem ficar por último ganha o jogo.

Região Sul
Jogo da memória – brincadeira que se originou em Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Um participante começa dizendo uma frase como “Eu pulo corda”. O próximo tem que repetir a frase e acrescentar outra informação: “Eu pulo corda e jogo bola”. O terceiro repete tudo e acrescenta mais alguma coisa: “Eu pulo corda, jogo bola e pulo amarelinha”. Quem errar a sequencia sai da brincadeira.

Região Centro Oeste
Rei da Lata – brincadeira que se originou em Ponta Porã no Mato Grosso do Sul

Em volta de um poste, o grupo de jogadores desenha um círculo, que será o mundo. Depois, eles colocam uma lata dentro do círculo. Um dos participantes chuta a lata longe. A criança que foi escolhida para ser o pegador vai buscá-la e volta de costas. Enquanto isso, os outros se escondem. Quando o pegador acha alguém, ele pega a lata e bate no poste, dizendo “1, 2, 3, e o nome da pessoa”. Para salvar todos, um dos jogadores que estavam escondidos precisa chegar até a lata antes do pegador, tirá-la do chão e bater no poste três vezes dizendo “salve, salve”.

Todas as regiões
Brincadeiras de palmas

De forma ritmada e alegre, o desafio de coordenar palmas, canto e brincadeira com um ou mais amigos é universal. O Território do Brincar registou as diversas brincadeiras de bater palma. Confira o vídeo.

Fonte: https://catraquinha.catracalivre.com.br/brasil/manual-de-brincadeiras/indicacao/brincar-e-universal-brincadeiras-tradicionais-de-varios-estados/

 

O brincar tá na escola

O documentário relata que as brincadeiras são as fontes necessárias para construção:

  • social;
  • emocional;
  • intelectual;
  • motora;

O inventar possibilitará aspectos enriquecedores na vida do individuo. Vamos brincar!

Fome de Brincadeira na Educação

Educação se faz com liberdade de expressão, assim, garantiremos o pão!

Para matar a fome da conscientização.

A brincadeira é o prato mais saudável que podemos oferecer,

Pois nessa receita os ingredientes serão improvisados, fácil  de se obter.

A criança tem fome de educação,

A criança tem fome de brincar com emoção,

A criança tem fome de estudar com o coração.

 Com carinho e confiança, assim, veremos o sorriso no rosta da  criança!

A criança precisa de espaço,

Com outras crianças para formar-se um laço.

Que enfeitará a sua vida para sempre…

Guardando na memória os momentos sorridentes.

Gabriela Diaz

Caramba Carambola o Brincar tá na Escola

Os alunos precisam saber disso!

Uma verdade que não estará nas apostilas… muito menos em livros didáticos. Mas  educadores que acreditam na educação como fonte de conhecimento, devem  compartilhar essa mensagem!

  • A mentira em que vivemos – Legendado
  • O grande ditador – Legendado.
  • Robert Happé – Não pense sinta

Semana da água – Som para relaxar

Depois da aula sobrou aqueles 10 ou 15 minutos… Que tal fazer uma aula de relaxamento, contar uma história levando seus alunos a vivenciar uma experiencia de ir até uma cachoeira, ou uma ilha … Divida o tempo em dois momentos ou use um som para cada dia!

Crianças têm uma grande imaginação, vivenciam experiências únicas…. basta uma simples iniciativa!

Era uma vez… no… 15 crianças (numero de alunos), viajaram para (uma mata, ilha e etc…) e se deparam com uma linda…. enorme… com muitos (animais ex: aves, peixes,) um arco-íris se formou no céu, o sol e a lua estavam lá….use a sua imaginação! Escute a voz do seu coração…

CIÊNCIA ESPIRITUAL – DESENHO

Esses vídeos ajudarão a explicar aos alunos um ponto de vista universal sobre diversos assuntos  para nossa própria formação como indivíduo. Devemos nos conhecer para que possamos entender nossa função no Planeta Terra. Assista com o seu coração !

Mas o que isso tem haver com artes?

TUDO!

Na Lição 1, Patchman começa a sua jornada para o desconhecido falando sobre um assunto fundamental. Pensamentos, Emoções e o poder que eles exercem sobre nós. E também, como você pode viver cada momento controlando os seus pensamentos e emoções, orientando você mesmo/a para onde quer ser orientado/a, em vez de permitir que a sociedade moderna lhe diga como você se deve sentir e no que deve pensar.

Tal como você cria a sua realidade, nós também co-criamos as nossas realidades juntos. Nós somos um colectivo! Como uma comunidade, uma cidade, um país e uma espécie, nós decidimos para onde queremos ir e como queremos evoluir. Depende de nós decidir o que vai acontecer na próxima narrativa da raça humana, mas a mudança tem de começar a um nível individual.

 

 

Mandalas de Areia

Essa aula enfatiza o espírito em equipe e de fato prova aos participantes como é essencial desenvolvermos trabalhos coletivos.

Mandala significa círculo em sânscrito. Aqui, ela designa um diagrama simbólico de uma mansão sagrada, o palácio de uma divindade meditacional, representando todas as qualidades iluminadas. A palavra tibetana para mandala é kyilkhor (tib. dkyil khor), centro-círculo. Cada mandala é associada a uma certa divindade; porém, essas divindades não são “deuses” ou “deusas”, mas budas (tib. sangs rgyas/ sangye), seres iluminados que demonstram sua compaixão, sabedoria e habilidade para liberar todos os seres do sofrimento e levá-los ao despertar.

As mandalas de areia


As complexas mandalas, utilizam diversas cores de areia, que são adicionadas ao esboço geométrico utilizando um instrumento chamado chak-pur. Como uma espécie de funil metálico, nele está a areia, que é liberada a partir da vibração do material ao entrar em contato com uma varinha, que fica na outra mão do monge. Dessa forma, é possível controlar a areia como se fosse um líquido e, a partir disso, colorir a mandala.

Assim que a arte fica pronta, ela é destruída. Parte da areia é distribuída para o público, enquanto que o restante é liberado no rio mais próximo como forma de, simbolicamente, espalhar a paz e a cura mentalizada pelos monges no mundo.

O objetivo, segundo eles, é enfatizar a inconstância da vida.

mandala-de-areia-o-simbolismo-da-arte-tibetana-blog-sobre-budismo

Proposta

De 6 a 14 anos

 

Sempre inicie uma atividade pela roda de conversaassim você poderá saber quem já fez essa atividade anteriormente, dando a oportunidade da criança se expressar oralmente ao dividir sua experiência com o grupo. Nesse momento o professor/educador poderá analisar esteticamente  uma imagem/foto de uma mandala de areia com o grupo, fazer alguns apontamentos pertinentes ao repertório artístico do grupo. Agora elas assistirão a um vídeo educativo, nesse caso, de monges Tibetanos construindo uma mandala de areia, durante o vídeo faça pequenas pausas, e conversem sobre: trabalho em equipe, respeito, tolerância, calma, bondade, concentração, foco, generosidade, determinação e desapego “material”. Valores que serão visualizados no vídeo. Após assistirem, iniciam-se o processo criativo das mandalas, nessa etapa deixem que eles se organizem com o material, veja se o grupo demostra afinidade ou dificuldade  em trabalhar de forma colaborativa. Não esqueça de colocar uma música ambiental! De preferencia a mantras tibetanos (sino tibetano). Ao finalizarem as mandalas… é a hora de cada um falar sobre a experiência adquirida, no fechamento/ exposição o educador poderá fazer diversas perguntas, como: você gostou da música? A textura do material te lembra algo?  Você ficou triste em desmanchar a mandala? Se possível, deixe que eles levem pra casa um pouquinho da mandala, coloque num potinho, ou saquinho e amarre.

Material

  • Areia colorida (pode ser de maisena com anilina)
  • pedrinhas coloridas
  • tampas de pizza
  • saquinho ou potinho para levar
  • música ambiental – sino tibetano

Vídeo educativo

Música Ambiental

Fotos

 

Início da Primavera – 23 de Setembro

Uma estação encantadora, pois nos proporciona belezas e sensações únicas, exclusivas da Primavera. Bela essa primavera, que nos hipnotiza com sua formidável e delicada lindeza.

Sugestões de aulas não faltam…. Usar o espaço externo, como: pátios, parques e praças e sem dúvida uma ótima opção! As melhores vivências são as que realmente vivenciamos trocando experiências em diferentes espaços e lugares.

 Esse vídeo é uma  R E  L Í Q U I A , assista e veja se estou enganada!

Realmente uma obra de arte. Uma viajem surrealista!

A atividade fica por conta da sua criatividade, afinal você pode ir além…..  Mas, genial uma peça de T E A T R O , bem fica a dica!


Proposta: A Primavera Surrealista

Turmas: Fund. I e II 

Vídeo Educativo: converse com a turma sobre o conteúdo que eles acabaram de assistir.

Para o Professor :

PRIMAVERA

O movimento de translação (deslocamento da Terra em torno do Sol), juntamente com a inclinação do eixo terrestre em 23°27’ em relação ao plano orbital, é responsável pela variação de energia solar que atinge a superfície terrestre em uma determinada época do ano. Esse fenômeno é responsável pelas estações do ano: primavera, verão, outono e inverno.

A primavera é a estação do ano que tem início com o fim do inverno. No Hemisfério Sul, a primavera começa no dia 23 de setembro e termina no dia 21 de dezembro; no Hemisfério Norte, essa estação inicia no dia 22 de março e termina em 21 de junho.

A principal característica da primavera é o reflorescimento da flora, sendo considerada a estação mais florida do ano. Esse período é marcado por belas paisagens formadas pela natureza, com uma grande diversidade de flores, tais como orquídeas, jasmim, violeta, hortênsia, crisântemo, entre outras.

A temperatura durante a primavera é bastante agradável. No entanto, é importante ressaltar que essas estações são bem definidas apenas na Zona Temperada do Norte (entre o Círculo Polar Ártico e o Trópico de Câncer) e na Zona Temperada do Sul (entre Círculo Polar Antártico e o Tropico de Capricórnio).

Texto: Wagner de Cerqueira e Francisco
Graduado em Geografia

Sustentabiliarte – Vídeo

 

Um olhar conceitual sobre a SUSTENTABILIDADE a fim de sensibilizar a alma através da ARTE, conscientizando o Ser num caminho EDUCACIONAL  harmônico e utópico.

O Projeto: Sustentabiliarte tende à conscientizar a criança sobre os problemas atuais do nosso planeta e ajudar a ela entender as diferenças étnicas, sociais, culturais e econômicas de uma forma natural. Quando falo de uma forma “natural”, refiro-me à pertencer a natureza, inserido no cosmo, dotado da racionalidade o ser humano deve manter a harmonia com o universo, Amar-se.

Imagens: Fabio Galambeck e Gabriela Diaz
Edição: Marco Loschiavo
Trilha: Gustavo Sola