ARTISTA DO MÊS DE ABRIL –Nele Azevedo

Nele Azevedo

SITE OFICIAL:  NELE AZEVADO

“Melting Men”, projeto mais famoso da artista visual Nele Azevedo, expõem centenas de bonequinhos de gelo, com o objetivo de abordar um dos assuntos mais urgentes que ameaçam a nossa existência neste planeta: os efeitos das mudanças climáticas.

Em 2009, Azevedo se uniu com o World Wildlife Fund e colocou 1.000 figuras de gelo na Praça Gendarmenmarkt, em Berlim. A instalação foi programada para corresponder com o lançamento do relatório do WWF sobre o aquecimento do Ártico.

 

A PARTIR DOS TRABALHOS DE NELE AZEVEDO PODEMOS IR ALUM COM A CRIATIVIDADE…

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Artista do mês de Fevereiro – Sandhi

Sandhi SchimmelGold transforma lixo eletrônico e resíduos de papel em arte.

Com uma forte mensagem ambiental, além de lixo, Gold utiliza tintas não tóxicas, à base de água, para compor lindos mosaicos.

schimmel_04

Mosaico de papel

Colagem de lixo eletrônico

Papier Collé

Belas artes amigáveis ​​de Eco

Assemblage

Detalhes

Chame o que você quiser. Necessidade é a mãe da invenção.*

Site oficial da artista

Eu tenho desenhado e pintado desde que eu poderia segurar um lápis ou ficar perto de um cavalete. Através da escola após a escola, eu segui a arte e isso me obscureceu. Eu era pintor de retratos [acrílicos] por muitos anos. E depois…

Cerca de 30 anos atrás, eu queria criar retratos que se parecessem com mosaicos.

Cerca de 20 anos atrás, depois de estudar mosaicos e trabalhar em azulejos, vidro e pedra.

Mudei para fazer retratos em mosaico em vidro. Eu não estava satisfeito. Então, Eureka! Papel. O papel é mais fácil de cortar do que o vidro e mais claro também. E as cores das tintas são infinitas.

Enquanto procurava por fontes de papel além daquela caixa de cartões antigos, percebi que os cartões postais, cartões comemorativos, cartões de visita, fotografias, mapas, capas de catálogos, embalagens e outras coisas efêmeras estavam entrando em minha casa por meio de viagens de compras e … 6 dias por semana na maibox.

Então, em 2000, o experimento tornou-se uma visão real. Desde então, meu trabalho tem sido mostrado em museus, galerias, festivais e feiras de arte, e está em coleções permanentes de museus, empresas e particulares em todo o mundo. Tem sido apresentado em todos os tipos de mídia, desde rádio até jornais, periódicos nacionais e internacionais, e até vários programas de televisão; tudo da PBS para o Access Hollywood.

Artista profissional em tempo integral que mora em Richmond, VA, crio imagens da minha cabeça, crio conceitos da minha imaginação, desenho usando apenas dois olhos e uma mão, e ferramentas muito simples: lápis, tinta, pincéis, papel, água laca, tesoura, um exacto knife & glue – e uma guilhotina antiquada [não necessariamente nessa ordem].

Eu fico ocupado criando trabalhos personalizados, experimentando e resolvendo meus problemas e sonhos através do papel.


* “A necessidade é a mãe da invenção” às vezes é atribuída a Richard Franck que a usou em  seu livro “Northern Memoirs”, calculado para o meridiano da Escócia (1658)

Frans Krajcberg – Artista do mês de janeiro

Artistas sustentáveis e planetários


Todo mês teremos um artista, acompanhem.

Franz_KrajcbergBIOGRAFIA 

Frans Krajcberg (Kozienice, Polônia, 1921 – Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2017). Escultor, pintor, gravador e fotógrafo. Autor de obras que têm como principal característica a exploração de elementos da natureza, destaca-se por seu ativismo ecológico, que associa arte e defesa do meio ambiente.

Nascido na Polônia, Krajcberg forma-se em engenharia e artes pela Universidade de Leningrado. Mais tarde, ao mudar-se para a Alemanha, ingressa na Academia de Belas Artes de Stuttgart, onde se torna aluno do pintor alemão Willi Baumeister (1889-1955).

Sua carreira artística se inicia no Brasil, para onde migra em 1948, procurando reconstruir sua vida depois de perder toda a família em um campo de concentração durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Reside um curto período no Paraná (isolando-se na floresta para pintar) e, em 1951,  participa da 1ª Bienal Internacional de São Paulo, com duas pinturas. Muda-se para o Rio de Janeiro em 1956, onde divide ateliê com o escultor Franz Weissmann. Naturaliza-se brasileiro no ano seguinte. Suas pinturas desse período tendem à abstração, predominando tons ocre e cinza. Trabalha motivos da floresta paranaense, com emaranhados de linhas vigorosas.

O artista retorna a Paris em 1958, onde permanece até 1964. Alterna sua estada em Paris com viagens a Ibiza, na Espanha, onde produz trabalhos em papel japonês modelado sobre pedras e pintados a óleo ou guache. Essas “impressões” são realizadas com base no contato direto com a natureza e aproximam-se, em suas formas, de paisagens vulcânicas ou lunares. Também em Ibiza, a partir de 1959, produz as primeiras “terras craqueladas”, relevos quase sempre monocromáticos, com pigmentos extraídos de terras e minerais locais. Como nota o crítico Frederico Morais, a natureza torna-se a matéria-prima essencial do artista.

De volta ao Brasil, em 1964, instala um ateliê em Cata Branca, Minas Gerais. A partir desse momento ocorre em sua obra a explosão no uso da cor e do próprio espaço. Começa a criar as “sombras recortadas”, nas quais associa cipós e raízes a madeiras recortadas. Nos primeiros trabalhos, opõe a geometria dos recortes à sinuosidade das formas naturais. Destaca-se a importância conferida às projeções de sombras em suas obras.

Em 1972, passa a residir em Nova Viçosa, no litoral sul da Bahia. Amplia o trabalho com escultura, iniciado em Minas Gerais. Intervém em troncos e raízes, entendendo-os como desenhos no espaço. Essas esculturas fixam-se firmemente no solo ou buscam libertar-se, direcionando-se para o alto. A partir de 1978, atua como ecologista, luta que assume caráter de denúncia em seus trabalhos: “Com minha obra, exprimo a consciência revoltada do planeta”.1 Krajcberg viaja constantemente para a Amazônia e Mato Grosso, e registra por meio da fotografia os desmatamentos e queimadas em imagens dramáticas. Dessas viagens, retorna com troncos e raízes calcinados, que utiliza em suas esculturas.

Na década de 1980, inicia nova série de “gravuras”, que consiste na modelagem em gesso de folhas de embaúba e outras árvores centenárias, impressas em papel japonês. Também nesse período realiza a série Africana, utilizando raízes, cipós e caules de palmeiras associados a pigmentos minerais. Krajcberg sempre fotografa as suas esculturas, muitas vezes tendo o mar como fundo. O Instituto Frans Krajcberg, em Curitiba, é inaugurado em 2003, recebendo a doação de mais de uma centena de obras do artista.

Krajcberg, ao longo de sua carreira, mantém-se fiel a uma concepção de arte relacionada diretamente à pesquisa e utilização de elementos da natureza. A paisagem brasileira, em especial a floresta amazônica, e a defesa do meio ambiente marcam toda a sua obra.

Obras

Da década 1950 à 2000

Arquivo Google de Busca 

Mídias

Acervo Itau Cultural

 Visita à Krajcberg – Encontros, 1997
Direção Roberto Moreira Itaú Cultural

 

Frans Krajcberg – Enciclopédia Itaú Cultural
É na natureza que Frans Krajcberg encontra abrigo após a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), assim como inspiração para suas esculturas, pinturas, gravuras e fotografias. O polonês chega ao Brasil em 1947, para “fugir do homem”. Nessa fuga, ele se embrenha por florestas e descobre um mundo que não conhecia. Em vez de criar para atender as demandas do mercado da arte, Krajcberg decide que mostraria sua revolta contra a destruição do planeta. Com essa intenção, ele utiliza troncos de árvores, folhas e cipós como matéria-prima ou fonte de inspiração para criações que passam necessariamente pelo fogo antes que seus restos sejam levados à casa do artista, em Nova Viçosa, no Sul da Bahia. “Ali, eu as transformo. Para elas falarem, gritarem socorro. Para deixar a Amazônia sobreviver”, diz ele. “Até o final da minha vida, vou continuar como sou. Viver fora da cidade, na minha mata. Ouvir a música dos meus passos.”

Produção: Documenta Vídeo Brasil
Captação, edição e legendagem: Sacisamba
Intérprete: Carolina Fomin (terceirizada)
Locução: Júlio de Paula (terceirizado)

 

Notas / fonte:
http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa10730/frans-krajcberg
1 Citado em FRANS Krajcberg revolta. Rio de Janeiro: GB Arte, 2000. p. 165.