EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMEÇA NA INFÂNCIA

REVISTA MEIO AMBIENTE – Brasileiros Especiais

Trecho  da Revista Meio Ambiente.

EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMEÇA NA INFÂNCIA

Lei institui Educação Ambiental nas escolas, mas preparo de docentes ainda é desafio.

“Foi no ano de 1960, a partir dos movimentos contraculturais que começou a ser elaborada a proposta da Educação Ambiental como ferramenta de mudanças na relação do homem com a natureza”.

Uma prática ambiental que sai do antropocentrismo e insere o ser humano no meio ambiente. Segundo a lei pedagoga, a Lei 9.795/99, que  institui a Educação Ambiental no Brasil, é decisiva para uma aplicação coerrente dessa forma de educar ou incluir o meio ambiente à rotina escolar de modo interdisciplinar.  Um dos objetivos é motivar a participação contínua e possibilitar o desenvolvimento de habilidades necessárias para detectar e resolver problemas ambientais locais. Outro foco é diminuir a importância das atitudes para preotrger, preservar e melhorar o meio ambiente perante os atuais modos de interferência, além de incentivar novas formas de vida. “Principalmente em relação às  formas de consumo que levam á degradação ambiental”.

Apesar de sua importância, a Educação Ambiental não deveria se tornar uma disciplina obrigatória nas escolas ou univerdidades. No entanto, tem que ser mais incisiva. ” A fragmentação do ensino é um dos fatores que mais interfere na visão distorcida do mundo que temos, e essa prática busca promover uma visão sistêmatica, de integridade e de forma que os seres humanos sintam-se parte integrante de meio ambiente, e não algo separado dele”. Já uma consciência muito grande sobre o que precisamos fazer para preservar as fontes renováveis, porém é  muito difícil educar ambientalmente em um mundo focado na cultura do consumo, comércio e produção.

                                                                                                                                              imagem: blog Planeta do Bem

 NÓS PROFESSORES DE ARTE EDUCAÇÃO TEMOS O DEVER DE SE ATUALIZAR E BUSCAR RECURSOS PARA ESSA TRANSFORMAÇÃO. A  AJUDA DA ESCOLA E DA COMUNIDADE ONDE ESTAMOS INSERIDOS É ESSENCIAL, PARA JUNTOS PLANTARMOS ESSA SEMENTE. E FICA CLARO QUE NA HORA DA ALFABETIZAÇÃO ESCOLAR  TEMOS A MELHOR  OPORTUNIDADE DE JUNTOS DESCOBRIR NOVOS  HÁBITOS.  FAZER NOVAS AÇÕES PRÁTICAS COTIDIANAS,  COMO POR EXEMPLO, SEPARAR O LIXO E EVITAR O DESPERDÍCIO .  APROVEITAR QUE A CRIANÇA SE ENCONTRA NA FASE DO DESCOBRIR ONDE O RESULTADO É QUASE GARANTIDO.

As escolas do futuro

 

“O que você fez hoje na escola, meu filho?” “Transformei um carro normal num modelo super-econômico, papai.” Esqueça as provas, a feira de ciências e a tabuada. Se a maior parte das escolas de hoje ainda é igualzinha à dos nossos pais, as do futuro serão muito diferentes. E algumas delas já estão funcionando”

A ESCOLA ONDE TUDO É UM JOGO
Minddrive – Kansas City, EUA
Número de alunos: 50
Tipo: Comunitária (ONG) e gratuita

Um grupo de alunos está reunido na sala de aulas no meio de um debate caloroso. Mas a lição aqui não é de matemática ou história – eles estão tentando adaptar um carro normal em um modelo ecológico e econômico. Essa é apenas uma das lições desta escola, chamada Minddrive, no Kansas, EUA. De fato, o maior feito dos alunos por lá é ter desenvolvido um veículo elétrico capaz de rodar 128 km com a energia equivalente à de 1 litro de combustível. Esta não é uma escola normal, claro. O Minddrive, na verdade, é um reforço escolar para adolescentes que não vão bem no ensino regular. Mas seu método educativo não é tão exótico assim. Ele é todo baseado nos jogos epistêmicos, uma espécie de RPG (role playing games), no qual os alunos simulam situações cotidianas e pensam em soluções para os problemas que vão surgindo. “Os desafios que as nossas escolas enfrentam hoje são importantes demais para ficarmos isolados. Precisamos preparar os alunos para o mundo real”, diz David Shaffer, professor de pedagogia da Universidade de Wisconsin e chefe do projeto de jogos epistêmicos para uso na educação. A ideia básica do Minddrive é apresentar um grande desafio real aos alunos e, sob a orientação de um instrutor, fazer com que eles encontrem as soluções para este problema. O aprendizado viria naturalmente, como consequência do processo. De fato, depois de entrar no reforço, quase todos os adolescentes melhoraram seu desempenho na escola tradicional.

 

A ESCOLA VERDE
Green School – Indonésia
Número de alunos: Cerca de 370
Tipo: Privada – custo aproximado de R$ 2 mil mensais


Nessa escola, tudo é natural: as estruturas são de bambu e as salas de aula, abertas, para que o calor e o vento balineses possam entrar. Criada pelo americano John Hardy, ela se baseia na metodologia do educador britânico Alan Wagstaff, que defende uma maneira de ensinar que conecta aspectos racionais, emocionais, físicos e espirituais.

Na prática, isso quer dizer que o conhecimento está dividido em temas, e não em matérias. Por exemplo, no ensino fundamental, crianças de sete anos aprendem “padrões de contagem” pulando corda. Em outra aula, o objetivo é relacionar sentimento a números e acontecimentos históricos. Assim, os alunos pensam em datas e cifras e as imaginam com as cores que quiserem.

De acordo com o método de ensino, isso humaniza o conhecimento e, consequentemente, ajuda a memorizar os fatos. O discurso pode parecer meio hippie, mas Hardy garante que funciona. Até porque um dos objetivos da Green School é que seus alunos saiam de lá prontos para abrir seus próprios negócios – sustentáveis, de preferência.

Ainda durante o ensino médio, eles simulam a criação de uma empresa. E muitas acabam saindo do papel. Rasa Milaknyte, que criou sua empresa no 11º ano (penúltimo do ensino médio), foi um desses casos. “Meu negócio é um serviço: ensino aikidô para crianças de cinco a 12 anos”, diz.

A ESCOLA DA COLETIVIDADE
Escola Municipal Desembargador Amorim Lima – São Paulo, Brasil
Número de alunos – 700
Tipo – Pública e gratuita

Todo mundo pode participar de tudo na escola Desembargador Amorim Lima. Os pais organizam as festas, os alunos coordenam os debates, a diretora faz papel de tutora. Até a página do Facebook da escola é atualizada por pais. Há inclusive um conselho em que todos têm poder de decisão sobre rumos futuros.

“A conquista do espaço público deve ser feita por todo mundo”, diz a diretora Ana Elisa Siqueira.

Os alunos estudam em grupos de diferentes faixas etárias, espalhados por grandes salões – no maior deles, cabem mais de 100 estudantes. Parte das paredes da escola foi literalmente arrancada: os espaços foram formados a partir da união das antigas salas de aula, já no final da década de 1990. A lousa continua por lá, mas sem uso: não há aulas expositivas nesses espaços – apenas as de inglês, português e matemática acontecem por perto do quadro-negro, em salas menores.

Se você entra num dos salões, encontra vários pequenos aglomerados de estudantes, além de professores em pé, correndo de um lado para o outro para atender aos diversos chamados. Cada um dos jovens anda com um caderno de roteiros de pesquisa, cujo conteúdo carrega os temas que podem ser estudados durante o ano, como “consumismo“, “comunicação e memória” e “sangue e excreção”.

E adivinhe quem escolhe por onde começar e por onde terminar? O próprio aluno, que é incentivado a ser independente.

A ESCOLA DOS HYPERLINKS
Politeia – São Paulo, Brasil
Número de alunos – 18
Tipo – Privada: custo aproximado de R$ 1,2 mil mensais

 
Um dos alunos desenvolveu um game interativo que acompanha a jornada de zumbis. Outro, uma pesquisa sobre Albert Einstein – durante uma apresentação, ele até explicou o que é o paradoxo dos gêmeos, um experimento mental sobre a relatividade. Outra das alunas começou uma pesquisa sobre cães e gatos abandonados, motivada pela sua paixão por animais.

Todos eles são estudantes da Politeia, uma escola em São Paulo que deixa os alunos imergirem nos temas que lhes interessam. As pesquisas levam a caminhos inimagináveis. O exemplo de Joyce Dorea, a garota de 13 anos que decidiu pesquisar animais abandonados, é emblemático: ao se debruçar sobre o tema, ela descobriu que muitos animais não são apenas deixados na rua, mas são também deliberadamente maltratados. Ela então pesquisou mais o assunto e se deparou com a seguinte história: uma cadela russa chamada Laika foi lançada ao espaço numa nave, com um fim trágico, pois morreu durante a experiência.

A garota ficou curiosíssima para entender o contexto histórico daquele fato e começou uma pesquisa sobre a corrida espacial. Esse assunto está diretamente conectado com a Guerra Fria e termos que até então ela não entendia muito bem, como “capitalismo” e “comunismo”. Foi nesse momento que a garota encontrou as tirinhas da Mafalda e seus pensamentos impregnados de reflexões políticas – sim, a personagem virou o tema da última pesquisa da jovem.

O percurso de Joyce é apenas um exemplo entre outros na Politeia. Ele mostra a lógica do hyperlink: de um ponto para outro e para outro, num percurso imprevisível, aprendendo no meio do caminho. O desenvolvimento das pesquisas é feito com a ajuda de tutores e professores. “Durante as pesquisas, o professor precisa entrar no papel de aprendiz, aceitando que não sabe tudo e aprendendo junto com o estudante”, conta Yvan Dourado, um dos tutores.

A ESCOLA HIGH TECH
Vittra – Suécia
Número de alunos: 8 500, em mais de 30 unidades
Tipo: Pública e gratuita


Quando você anda por uma das unidades da Vittra, vê crianças com computadores por todo lado. Ao se matricular, cada aluno recebe um notebook de última geração, desde os seis anos. Os aparelhos então são usados em atividades como o projeto Future City. Nele, cada aluno cria um avatar e escolhe características e habilidades que considera importantes para si. Juntos, os personagens criam uma cidade, desenhando a infraestrutura física e estabelecendo relações sociais, incluindo a criação de leis e a realização de eleições.

As atividades em grupo misturam crianças de diferentes idades e níveis de conhecimento, e os alunos as escolhem a partir de seus interesses. Em uma aula sobre o corpo humano, por exemplo, são as crianças mais velhas que ensinam as mais jovens – e podem usar o que quiser para isso: livros, animações ou apresentações digitais. “Ensinar alguém é uma ótima forma de aprender”, explica a professora Frida Monsén. “Observamos que os alunos dão o seu melhor quando sabem que o trabalho é para seus colegas e não apenas para o professor”, diz.

A ESCOLA MAIS DIFÍCIL DO MUNDO
Juku e Hagwon – Japão e Coreia do Sul
Número de alunos: Variável
Tipo: Privada – custo aproximado de R$ 1 mil a R$ 1,5 mil mensais (fora o valor da escola regular)

Juku e Hagwon são cursinhos preparatórios para crianças que viraram febre no Japão e na Coreia do Sul. No Japão, cerca de 20% dos alunos frequentam os juku já na pré-escola, para se preparar para os exames de admissão do ensino fundamental. Isso mesmo, são crianças de cinco ou seis anos fazendo cursinho! Depois que entram na 1ª série, os alunos passam a estudar em outrojuku, já com a intenção de se preparar para o ensino médio, e assim seguem até o vestibular. Resultado: boa parte das crianças passa de dez a 12 horas por dia estudando. “Assim que chegam em casa, os pais querem que estudem ainda mais”, explica Julian Dierkes, da universidade canadense de British Columbia, especialista nas metodologias pedagógicas da Ásia. Na Coreia do Sul, país com as melhores notas nos testes escolares internacionais, a mania é ainda mais extrema. Tanto que virou caso de polícia: existem equipes especializadas em investigar os cursinhos noturnos, os hagwon. Por lei, esses espaços só podem funcionar até as 22 h, mas, para conseguir melhores resultados, alguns hagwon seguem com as aulas madrugada adentro.Em um caso recente, após receber uma denúncia anônima, uma patrulha especial da polícia chegou a um beco no distrito de Gangnam, em Seul (aquele da música do Psy). Os policiais identificaram o endereço, cercaram o prédio e encontraram uma sala de aula, onde dez alunos estudavam. O professor acabou preso e processado.Preocupado com os altos índices de estresse dos alunos, o ministério da educação coreano quer desestimular os hagwon. Pretende aumentar a qualidade das aulas regulares e mudar os sistemas de ingresso nas universidades, que estão passando a considerar testes de habilidades e entrevistas, além das supercompetitivas notas.

A ESCOLA DO YOU TUBE
Khan Academy – Na internet
Número de alunos: 43 milhões
Tipo: Livre


Em 2004, nos EUA, um jovem americano chamado Salman Khan, filho de mãe indiana e pai de Bangladesh, queria ajudar sua prima, que morava na Índia, a estudar matemática. Como estava longe, gravou umas aulas em vídeo e as publicou no Youtube, para que a prima pudesse acessar suas explicações. Mas ele não esperava que suas aulas fossem virar hits. Khan começou a receber pedidos para que gravasse vídeos de outros assuntos.

Assim surgiu a Khan Academy, hoje uma febre mundial. A Khan disponibiliza gratuitamente na internet mais de 3 200 aulas em vídeo e animação. Somados, eles já têm mais de 200 milhões de visualizações.lgumas escolas dos EUA (e do Brasil também!) utilizam os vídeos da Khan na sala de aula – o que aponta para uma sutil e gradual tendência de, aos poucos, substituir as tradicionais aulas com lousa e giz. “O velho modelo simplesmente não atende mais às necessidades das pessoas,” diz Salman Khan. “É uma forma de aprender essencialmente passiva, mas o mundo requer uma maneira mais ativa de processar informação. E a tecnologia oferece isso”.

A ESCOLA ONDE O ALUNO DECIDE O QUE FAZER
São Tomé de Negrelos, mais conhecida como Escola da Ponte – Vila das Aves, Portugal
Número de alunos: 220
Tipo: Pública


A escola tradicional se baseia na ideia de que o aprendizado segue um caminho mais ou menos igual para todos. Por isso, temos a divisão em turmas por idade, currículos padronizados e provas iguais para todos os alunos. Mas há quem discorde: algumas teorias da educação entendem que cada aluno é único e deve ter autonomia para aprender.

Com base nessa ideia, surgiu em Portugal, em 1976, a Escola da Ponte, que fica numa vila a 30 km do Porto. A escola não tem salas de aula, não separa o conteúdo em disciplinas, não demarca horário para iniciar ou terminar uma atividade. Funciona assim: os professores apresentam aos alunos uma variedade de temas. Cada um escolhe um assunto que mais lhe interesse e diz se quer trabalhar sozinho ou em grupo. Todos dividem o espaço da escola, espalhados por grupos de mesas. Se preferirem, podem fazer as atividades ao ar livre. “Os alunos gerem, quase com total autonomia, os tempos e os espaços educativos. Escolhem o que querem estudar e com quem”, explicou José Pacheco, fundador da escola, em palestra recente no Brasil.

Ao final de cada dia, há uma espécie de assembleia geral, onde os alunos compartilham com os colegas o que aprenderam. Quando sentem que estão preparados para fazer uma prova, definem quando vão fazer o teste, individualizado para cada um, levando em conta a lista de conhecimentos adquiridos.

Parece o paraíso na Terra, mas nem todos se adaptam ao modelo. Há aqueles que desistem, e acabam voltando ao sistema tradicional. Mas a metodologia da Escola da Ponte convenceu o governo português, que valida seu diploma como o de qualquer outra escola.

A ESCOLA PARA GAYS
Harvey Milk High School – Nova York, EUA
Número de alunos: 110
Tipo: Pública

A Harvey Milk School – que leva o nome do principal ativista político americano da causa gay, assassinado em 1978 – é voltada prioritariamente para jovens homossexuais. Suas diretrizes dizem que “a escola é aberta para todos os alunos, independentemente de raça, gênero, orientação sexual“. Mas, na prática, quase todos os alunos são abertamente gays ou lésbicas. “A escola foi criada para que adolescentes homossexuais pudessem estudar sem a ameaça de violência física ou emocional que costumavam enfrentar no ambiente escolar tradicional”, explica Thomas Krever, diretor executivo da iniciativa.

Para o diretor, em um ambiente em que possam se expressar livremente, os alunos têm mais condições de se dedicar aos estudos. A instituição foi alvo de críticas por ser abertamente voltada a um perfil específico de estudantes, especialmente depois de ter sido transformada em uma escola pública em 2002, passando a receber recursos do governo. Mas, pelos dados da escola, os resultados dos alunos da Harvey Milk em exames são superiores aos da média de Nova York. Aí fica difícil contestar.

As escolas estão dando cor e formato a necessidades das novas gerações, pensando em como criar um ambiente acoledor e apropriado  para todos.

O educador ecológico

Como um guia, livro propõe reflexões e exercícios paa estimular a consciência dos alunos

Cada pessoa tem uma iniciativa diferente com o lixo que produz. Isso fica evidente quando se caminha pelas ruas de uma cidade grande como São Paulo. Pacotes de alimentos, sacolas plásticas, latas, garrafas,  sobras de cohttps://i0.wp.com/grupoautentica.com.br/img/fotos_livros/782-zoom_20120614160556.jpgmida, móveis velhos e vários outros tipos de restos podem ser encontrados pelo caminho inclusive em áreas verde, como praças e parques. Em cenários que lembram tudo memos o equilíbrio do ambiente em que se vive. é provável que muitos questionem qual a dificuldade do outro em dar dois passos para colocar o lixo no lugar cesto ou esperar até encontrar um. Podem se perguntar ainda como esse outro – que se livra dos resíduos em qulaquer lugar- pode ter passado pela educação ásica ou familiar e não praticar o mínimo de uma conduta de preservação ambiental.

É justamente a questão “Como educar neste mundo em desequilíbrio?” que tenta responder a psicóloga Ana Mansoldo, especialista em Educação Ambiental pelo Centro de Estudos e Pesquisas Educacionais de Minas Gerais. De forma muito didática, o texto problematiza temas como a reciclagem, o desperdício de água, o direitos dos animais à vida digna e os conceitos de ecologia integral, da natureza, pessoal e social.

O conceito de afetividade de Henri Wallon é colocado em prática no filme O Contador de Histórias

Ao assitir o filme O Contador de História,  pude ver na prática a teoria de Wallon ser exercida. Fica claro que iniciativas educacionais com afetividade trás resultados surpreendentes, respostas positivas e harmonizam o convívio social.  Por isso ao lidar com algum tipo de  problema rotulado como irreversível, lembre-se que o AMOR é a fórmula indispensável para alcançar o “impossível” .

Baseado numa história O Contador de História (Brasil,2009) é um filme biográfico, que conta a história de um um contador de histórias. Trata-se de Roberto Carlos Ramos ou Roberto Carlos Contador de Histórias, como é conhecido em Belo Horizonte. O diretor Luiz Villaça descobriu o contador de história por acaso, em um livro infantil que seu filho havia ganhado de presente, e após ler a história de Roberto Carlos, desenvolveu o projeto do filme premiado com o selo da Unesco, Organização das Nações Unidas.

O filme passa-se na década de 1970, iniciando sua ação na cidade de onde Roberto Carlos Ramos vive com a mãe e seus nove irmãos em uma favela. A mãe leva-o então para a FEBEM acreditando que lá o filho terá melhores oportunidades, podendo até tornar-se um doutor.Na instituição, Roberto Carlos usa sua criatividade para conseguir mais comida e atenção, também aprende a impor moral entre os internos, mas ao tornar-se adolescente é transferido para outra instituição onde as regras são mais rígidas.Para fugir de castigos físicos, ele e outros internos descobrem o mundo das drogas e de pequenos delitos, fugindo sempre que aparece oportunidade para isso. Seu comportamento é rotulado pela instituição de irrecuperável. Nesse momento de sua vida, aparece a pedagoga francesa Margherit Duvas, que aos poucos, com palavras carinhosas e atitudes educadas vai conquistando o menino irrecuperável. Ela o adota e ele então tem a chance de se alfabetizar, estudar e dar asas a sua criatividade. Ambos vão viver na França. Após concluir seus estudos, Roberto Carlos retorna à Febém, como educador, e inicia sua história com outras crianças e adolescentes que ele vai adotando e criando uma família numerosa, com vinte filhos adotivos, alguns, como ele, ditos irrecuperáveis pelas instituições.

Henri Wallon inovou ao colocar a afetividade como um dos aspectos centrais do desenvolvimento

Quando uma mãe abre os braços para receber um bebê que dá seus primeiros passos, expressa com gestos a intenção de acolhê-lo e ele reage caminhando em sua direção. Com esse movimento, a criança amplia seu conhecimento e é estimulada a aprender a andar. Assim como ela, toda pessoa é afetada tanto por elementos externos – o olhar do outro, um objeto que chama a atenção, uma informação que recebe do meio – quanto por sensações internas – medo, alegria, fome – e responde a eles. Essa condição humana recebe o nome de afetividade e é crucial para o desenvolvimento. Diferentemente do que se pensa, o conceito não é sinônimo de carinho e amor (leia o resumo no quadro abaixo). “Todo ser humano é afetado positiva e negativamente e reage a esses estímulos”, explica Abigail Alvarenga Mahoney, pesquisadora convidada do Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação: Psicologia da Educação, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).

Grandes estudiosos, como Jean Piaget (1896-1980) e Lev Vygotsky (1896-1934), já atribuíam importância à afetividad

e no processo evolutivo, mas foi o educador francês Henri Wallon (1879-1962) que se aprofundou na questão. Ao estudar a criança, ele não coloca a inteligência como o principal componente do desenvolvimento, mas defende que a vida psíquica é formada por três dimensões – motora, afetiva e cognitiva -, que coexistem e atuam de forma integrada. “O que é conquistado em um plano atinge o outro mesmo que não se tenha consciência disso”, diz Laurinda Ramalho de Almeida, vice-coordenadora do Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação, da PUC-SP. No exemplo dado, ao andar, o bebê desenvolve suas dimensões motora e cognitiva, com base em um estímulo afetivo. Um olhar repressor da mãe poderia impedi-lo de aprender.

Wallon defende que o processo de evolução depende tanto da capacidade biológica do sujeito quanto do ambiente, que o afeta de alguma forma. Ele nasce com um equipamento orgânico, que lhe dá determinados recursos, mas é o meio que vai permitir que essas potencialidades se desenvolvam. “Uma criança com um aparelho fonador em perfeitas condições, por exemplo, só vai desenvolver a fala se estiver em um ambiente que desperte isso, com falantes que possam ser imitados e outros mecanismos de aprend

izagem”, explica Laurinda (saiba mais no trecho de livro na página seguinte).

Assim como Piaget, Wallon divide o desenvolvimento em etapas, que para ele são cinco: impulsivo-emocional; sensório-motor e projetivo; personalismo; categorial; e puberdade e adolescência. Ao longo desse processo, a afetividade e a inteligência se alternam. No primeiro ano de vida, a função que predomina é a afetividade. O bebê a usa para se expressar e interagir com as pessoas, que reagem a essas manifestações e intermediam a relação dele com o ambiente. Depois, na etapa sensório-motora e projetiva, a inteligência prepondera. É o momento em que a criança começa a andar, falar e manipular objetos e está voltada para o exterior, ou seja, para o conhecimento. Essas mudanças não significam, no entanto, que uma das funções desaparece. Como explica Izabel Galvão no livro Henri Wallon: Uma Concepção Dialética do Desenvolvimento Infantil, “apesar de alternarem a dominância,

afetividade e cognição não são funções exteriores uma à outra. Ao reaparecer como atividade predominante, uma incorpora as conquistas da anterior”.

As três manifestações da afetividade

Wallon mostra que a afetividade é expressa de três maneiras: por meio da emoção, do sentimento e da paixão. Essas manifestações surgem durante toda a vida do indivíduo, mas, assim como o pensamento infantil, apresentam uma evolução, que caminha do sincrético para o diferencial. A emoção, segundo o educador, é a primeira expressão da afetividade. Ela tem uma ativação orgânica, ou seja, não é controlada pela razão. Quando alguém é assaltado e fica com medo, por exemplo, pode sair correndo mesmo sabendo que não é a melhor forma de reagir.

O sentimento, por sua vez, já tem um caráter mais cognitivo. Ele é a representação da sensação e surge nos momentos em que a pessoa já consegue falar sobre o que lhe afeta – ao comenta um momento de tristeza, por exemplo. Já a paixão tem como característica o autocontrole em função de um objetivo. Ela se manifesta quando o indivíduo domina o medo, por exemplo, para sair de uma situação de perigo. .

Pelo fato de ser mais visível que as outras duas manifestações, a emoção é tida por Wallon como a forma mais expressiva de afetividade e ganha destaque dentro de suas obras. Ao observar as reações emotivas, ele encontra indicadores para analisar as estratégias usadas em sala de aula (leia a questão de concurso acima). “Se o professor consegue entender o que ocorre quando o aluno está cansado ou desmotivado, por exemplo, é capaz de usar a informação a favor do conhecimento, controlando a situação”, explica Laurinda. Não é possível falar em afetividade sem falar em emoção, porém os dois termos não são sinônimos. Na próxima reportagem da série, você vai conhecer mais a fundo as teorias de Wallon sobre essa importante expressão, tida como o primeiro recurso de interação do indivíduo com o meio.

Trecho de livro

“O espaço não é primitivamente uma ordem entre as coisas, é antes uma qualidade das coisas em relação a nós próprios, e nessa relação é grande o papel da afetividade, da pertença, do aproximar ou do evitar, da proximidade ou do afastamento.”
Henri Wallon no livro Do Ato ao Pensamento

Comentário
Neste trecho, Wallon mostra que a afetividade está sempre presente em todos os momentos, movimentos e circunstâncias de nossas ações, assim como o ato motor e a cognição. O espaço permite a aproximação ou o retraimento em relação a sensações de bem-estar ou mal-estar. É importante saber o que a escola, a sala de aula, a distribuição das carteiras e a organização do ambiente provocam nos alunos: abraço ou repulsa.

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/conceito-afetividade-henri-wallon-645917.shtml

http://pt.wikipedia.org/wiki/O_Contador_de_Hist%C3%B3rias

Brasil fica em penúltimo lugar em ranking global de qualidade de educação

O Brasil ficou em penúltimo lugar em um ranking global de educação que comparou 40 países levando em conta notas de testes e qualidade de professores, dentre outros fatores.
A pesquisa foi encomendada à consultoria britânica Economist Intelligence Unit (EIU), pela Pearson, empresa que fabrica sistemas de aprendizado e vende seus produtos a vários países.
Em primeiro lugar está a Finlândia, seguida da Coreia do Sul e de Hong Kong.

Os 40 países foram divididos em cinco grandes grupos de acordo com os resultados. Ao lado do Brasil, mais seis nações foram incluídas na lista dos piores sistemas de educação do mundo: Turquia, Argentina, Colômbia, Tailândia, México e Indonésia, país do sudeste asiático que figura na última posição.

Os resultados foram compilados a partir de notas de testes efetuados por estudantes desses países entre 2006 e 2010. Além disso, critérios como a quantidade de alunos que ingressam na universidade também foram empregados.

 

Para Michael Barber, consultor-chefe da Pearson, as nações que figuram no topo da lista valorizam seus professores e colocam em prática uma cultura de boa educação.

 

Ele diz que no passado muitos países temiam os rankings internacionais de comparação e que alguns líderes se preocupavam mais com o impacto negativo das pesquisas na mídia, deixando de lado a oportunidade de introduzir novas políticas a partir dos resultados.
Dez anos atrás, no entanto, quando pesquisas do tipo começaram a ser divulgadas sistematicamente, esta cultura mudou, avalia Barber.
“A Alemanha, por exemplo, se viu muito mais abaixo nos primeiros rankings Pisa [sistema de avaliação europeu] do que esperava. O resultado foi um profundo debate nacional sobre o sistema educacional, sérias análises das falhas e aí políticas novas em resposta aos desafios que foram identificados. Uma década depois, o progresso da Alemanha rumo ao topo dos rankings é visível para todos”.
No ranking da EIU-Person, por exemplo, os alemães figuram em 15º lugar. Em comparação, a Grã-Bretanha fica em 6º, seguida da Holanda, Nova Zelândia, Suíça, Canadá, Irlanda, Dinamarca, Austrália e Polônia.
Cultura e impactos econômicos 
Tidas como “super potências” da educação, a Finlândia e a Coreia do Sul dominam o ranking, e na sequência figura uma lista de destaques asiáticos, como Hong Kong, Japão e Cingapura.

 

Alemanha, Estados Unidso e França estão em grupo intermediário, e Brasil, México e Indonésia integram os mais baixos.
O ranking é baseado em testes efetuados em áreas como matemática, ciências e habilidades linguísticas a cada três ou quatro anos, e por isso apresentam um cenário com um atraso estatístico frente à realidade atual.
Mas o objetivo é fornecer uma visão multidimensional do desempenho escolar nessas nações, e criar um banco de dados que a Pearson chama de “Curva do Aprendizado”.
Ao analisar os sistemas educacionais bem-sucedidos, o estudo concluiu que investimentos são importantes, mas não tanto quanto manter uma verdadeira “cultura” nacional de aprendizado, que valoriza professores, escolas e a educação como um todo.
Daí o alto desempenho das nações asiáticas no ranking.
Nesses países o estudo tem um distinto grau de importância na sociedade e as expectativas que os pais têm dos filhos são muito altas.
Comparando a Finlândia e a Coreia do Sul, por exemplo, vê-se enormes diferenças entre os dois países, mas um “valor moral” concedido à educação muito parecido.
O relatório destaca ainda a importância de empregar professores de alta qualidade, a necessidade de encontrar maneiras de recrutá-los e o pagamento de bons salários.
Há ainda menções às consequências econômicas diretas dos sistemas educacionais de alto e baixo desempenho, sobretudo em uma economia globalizada baseada em habilidades profissionais.
Veja como ficou o ranking Pearson-EIU:

 

1. Finlândia
2. Coreia do Sul
3. Hong Kong
4. Japão
5. Cingapura
6. Grã-Bretanha
7. Holanda
8. Nova Zelândia
9. Suíça
10. Canadá
11. Irlanda
12. Dinamarca
13. Austrália
14. Polônia
15. Alemanha
16. Bélgica
17. Estados Unidos
18. Hungria
19. Eslováquia
20. Rússia
21. Suécia
22. República Tcheca
23. Áustria
24. Itália
25. França
26. Noruega
27. Portugal
28. Espanha
29. Israel
30. Bulgária
31. Grécia
32. Romênia
33. Chile
34. Turquia
35. Argentina
36. Colômbia
37. Tailândia
38. México
39. Brasil
40. Indonésia

 

Criança Ecológica

 

A Secretária do Meio Ambiente do Estado de São Paulo, está com um programa chamado “Criança Ecologica”, que tem como objetivo informar e sensibilizar as crianças do Ensino Fundamental sobre a agenda ambiental. As crianças aprendem como economizar água, energia e reciclar o lixo. Na Villa Ambiental elas aprendem de uma maneira divertida a  cuidar e respeitar a natureza. Agende a sua visita com os alunos, cadastre-se no site!

 

Você quer ser uma criança ecológica?

A criança ecológica é uma defensora da natureza.

Você gosta dos animais? Cuida das plantas? Sabe da importância de economizar a água e de reciclar o lixo?

Os animais são nossos amigos.

Eles podem nos ajudar no trabalho, fornecem alimentos e são importantes para o equilíbrio da natureza.

As plantas oferecem oxigênio e tornam puro o ar que respiramos. Elas deixam o clima mais agradável e o ambiente mais bonito.

A água é fundamental para a vida na Terra. Todos os seres vivos precisam de água. A poluição das águas causa doenças ao homem e o desperdício diminui a sua quantidade para beber.

Muito lixo que vai para a lixeira pode ser reciclado e transformado em outro utensílio. Evite o desperdício.

Assim, a criança ecológica tem boas atitudes e protege o meio ambiente.

 

EDUCAÇÃO PROIBIDA

Educação Proibida é um documentário que visa  questionar a lógica da escola moderna e como compreender a educação, tornando visíveis as diferentes experiências educacionais  não convencionais, apontando assim,  a necessidade de um novo paradigma educacional.

O documentário é um projeto de jovens, envolvendo 8 países, entrevistando mais d 90 educadores de distintas alternativas educacionais.

O filme foi financiado juntamente por centenas de co-produtores e tem licenças livres que permite e incentiva a cópia e reprodução.

Educação Proibida reflete sobre os fundamentos que sustentam a escola, promover o desenvolvimento de uma educação integral centrada no amor, respeito, à liberdade e à aprendizagem.

Este slideshow necessita de JavaScript.

“Básicamente… el animal humano es un animal de aprendizaje; nos gusta aprender; somos buenos en eso; no es necesario que se nos muestre como hacerlo. Lo que mata el proceso es la gente que interfiere con èl, trata de regularlo o controlarlo.”
John Holt

Sinopse

A escola já existe a mais de 200 anos e ainda é considerada a principal forma de acesso à educação. Hoje, a escola ea educação são conceitos amplamente discutidos no pârametro acadêmico, político público, institucional, mídia e sociedade de origem civil. A Escola tem sido caracterizada por estruturas e práticas hoje principalmente considerada obsoleta e ultrapassada. Nós dizemos não as necessidades do século XXI. Seu principal defeito é um projeto que não considera a natureza da aprendizagem, a liberdade de escolha e da importância do amor e laços humanos no desenvolvimento individual e coletivo.

A partir dessas reflexões e opiniões a propostas de educação prática é pensar diferente. “A Educação Proibida” é um documentário que procura recuperar e explorar suas idéias e visualizar as experiências que ousaram mudar a estrutura do modelo educativo da escola tradicional.

Mais de 90 entrevistas com educadores, acadêmicos, profissionais, autores, mães e pais, oito países da América Latina através de 45 experiências educacionais não convencionais, mais de 25 mil seguidores nas redes sociais antes de seu lançamento,  um total de 704 co-produtores. Um financiamento coletivo para “Educação Proibido” tornando-se um fenômeno único. Um projeto completamente independente de magnitude sem precedentes, o que explica a necessidade latente de crescimento e surgimento de novas formas de educação.

A Importância da Neurociência na Educação

Os avanços e descobertas na área da neurociência ligada ao processo de aprendizagem é sem duvida, uma revolução para o meio educacional. A Neurociência da aprendizagem, em termos gerais, é o estudo de como o cérebro aprende. É o entendimento de como as redes neurais são estabelecidas no momento da aprendizagem, bem como de que maneira os estímulos chegam ao cérebro, da forma como as memórias se consolidam, e de como temos acesso a essas informações armazenadas.

 

Quando falamos em educação e aprendizagem, estamos falando em processos neurais, redes que se estabelecem, neurônios que se ligam e fazem novas sinapses. E o que entendemos por aprendizagem? Aprendizagem, nada mais é do que esse maravilhoso e complexo processo pelo qual o cérebro reage aos estímulos do ambiente, ativa essas sinapses (ligações entre os neurônios por onde passam os estímulos), tornado-as mais “intensas”. A cada estímulo novo, a cada repetição de um comportamento que queremos que seja consolidado, temos circuitos que processam as informações, que deverão ser então consolidadas.

A neurociência vem nos desvendar o que antes desconhecíamos sobre o momento da aprendizagem. O cérebro, esse órgão fantástico e misterioso, é matricial nesse processo do aprender. Suas regiões, lobos, sulcos, reentrâncias tem sua função e real importância num trabalho em conjunto, onde cada um precisa e interage com o outro. Mais qual o papel e função de cada região cerebral? Aonde o aprender tem realmente a sua sede e necessita ser estimulada adequadamente?  Conhecer o papel do hipocampo na consolidação de nossas memórias, a importância do sistema límbico, responsável pelas nossas emoções, desvendar os mistérios que envolvem a região frontal, sede da cognição, linguagem e escrita, poder entender os mecanismos atencionais e comportamentais de nossas crianças com TDAH, as funções executivas e o sistema de comando inibitório do lobo pré-frontal é hoje fundamental na educação assim como compreender as vias e rotas que norteiam a leitura e escrita (regidas inicialmente pela região visual mais especifica (parietal), que reconhece as formas visuais das letras e depois acessando outras áreas para que a codificação e decodificação dos sons sejam efetivas. Como não penetrar nos mistérios da região temporal relacionado a percepção e identificações dos sons onde os reconhece por completo? (área temporal verbal que produz os sons para que possamos fonar as letras). Não esquecendo a região occipital que tem como uma de suas funções coordenar e reconhecer os objetos assim como o reconhecimento da palavra escrita. Assim, cada órgão se conecta e se interliga nesse trabalho onde cada estrutura com seus neurônios específicos e especializados desempenham um papel importantíssimo nesse aprender.

Podemos compreender, desta forma que o uso de estratégias adequadas em um processo de ensino dinâmico e prazeroso provocará consequentemente, alterações na quantidade e qualidade destas conexões sinápticas, afetando assim o funcionamento cerebral, de forma positiva e permanente, com resultados extremamente satisfatórios.

Estudos na área neurocientífica, centrados no manejo do aluno em sala de aula vem nos esclarecer que a aprendizagem ocorre quando dois ou mais sistemas funcionam de forma inter relacionada. Assim, podemos entender, por exemplo, como é valioso aliar a música e os jogos em atividades escolares, pois há a possibilidade de se trabalhar simultaneamente mais de um sistema: o auditivo, o visual e até mesmo o sistema tátil (a música possibilitando dramatizações).

Os games (adorados pelas crianças e adolescentes) ainda em discussão no âmbito acadêmico são fantásticos na sua forma de manter nossos alunos plugados e podem ser mais uma ferramenta facilitadora, pois possibilita estimular o raciocínio lógico, a atenção, a concentração, os conceitos matemáticos e através de cruzadinhas e caça-palavras interativos, desenvolver a ortografia de forma desafiadora e prazerosa para os alunos. Vários sites na internet nos disponibilizam esses jogos.

Desta forma, o grande desafio dos educadores é viabilizar uma aula que “facilite” esse disparo neural, as sinapses e o funcionamento desses sistemas, sem que necessariamente o professor tenha que saber se a melhor forma de seu aluno lidar com os objetos externos é: auditiva, visual ou tátil. Quando ciente da modalidade de aprendizagem do seu aluno, (e isso não está longe de termos na formação de nossos educadores) o professor saberá quais estratégias mais adequadas utilizar e certamente fará uso desse grande e inigualável meio facilitador no processo ensino ? aprendizagem.

Outra grande descoberta das neurociências é que através de atividades prazerosas e desafiadoras o “disparo” entre as células neurais acontece mais facilmente: as sinapses se fortalecem e redes neurais se estabelecem com mais facilidade.

Mas como desencadear isso em sala de aula? Como o professor pode ajudar nesse “fortalecimento neural”?Todo ensino desafiador ministrado de forma lúdica tem esse efeito: aulas dinâmicas, divertidas, ricas em conteúdo visual e concreto, onde o aluno não é um mero observador, passivo e distante, mas sim, participante, questionador e ativo nessa construção do seu próprio saber, o deixam “literalmente ligado”, plugado, antenado.

O conteúdo antes desestimulante e repetitivo para o aluno e professor ganha uma nova roupagem: agora propicia novas descobertas, novos saberes, é dinâmico e flexível, plugado em uma era informatizada aonde a cada momento novas informações chegam ao mundo desse aluno. Professor e aluno interagem ativamente, criam, viabilizam possibilidades e meios de fazer esse saber, construindo juntos a aprendizagem.

Uma aula enriquecida com esses pré- requisitos é mágica, envolvente e dinâmica. É saber fazer uso de uma estratégia assertiva onde conhecimentos neurocientíficos e educação caminham lado a lado. Mas como isso é possível? O que fazer em sala de aula? A seguir veremos algumas sugestões que podem ser adotadas:

1- Estabeleça regras para que haja um convívio harmonioso de todos em sala de aula, fazendo com que os alunos sejam responsáveis pela organização, limpeza e utilização dos materiais. Opinando e criando as regras e normas adotadas, eles se sentirão responsáveis pela sala de aula

2- Faça uso de materiais diversificados que explorem todos os sentidos. Visual: mural, cartazes coloridos, filmes, livros, filmes educativos; Tátil: material concreto e objetos de sucata planejados. Há uma riqueza de sites na internet que nos disponibilizam atividades muito ricas e prazerosas. A criatividade aflora e a aula se torna muito divertida; Auditivo: música e bandinhas feitas com material de sucata, sempre com o conteúdo inserido nelas. A criação de músicas sobre conteúdos é uma forma divertida de aprender. Talentos apareceram em sala de aula. E quem não gosta de cantar? A aula fica muito rica e prazerosa!

3- Reserve um lugar com almofadas e tapete, para momentos de descanso e reflexão. O “cantinho da leitura” é fundamental na sala de aula na ausência de uma biblioteca. Relaxar após o trabalho prazeroso significa dar tempo para o cérebro escanear todo o conteúdo que vai ser assimilado, ativar o hipocampo (região responsável pelas memórias) e consolidar o que se aprendeu.

4- Estabeleça rotinas onde possam realizar trabalhos individuais, em dupla e em grupo. (rotinas estabelecidas reforçam comportamentos assertivos e organização. Crianças com TDAH, que apresentam mal funcionamento das funções executivas se beneficiam com rotinas e regras pré estabelecidas.) O trabalho em equipe é extremamente prazeroso, ativa as regiões límbicas (responsáveis pelas emoções) e como sabemos que o aprender está ligado à emoção, a consolidação do conteúdo se faz de maneira mais efetiva. (hipocampo)

5- Trabalhar o mesmo conteúdo de varias formas possibilita aos alunos “mais lentos” oportunidades de vivenciarem a aprendizagem de acordo com suas possibilidades neurais. Dê aos mais rápidos, atividades que reforcem ainda mais esse conteúdo, que os mantenham atentos e concentrados, para que os mais lentos não sejam prejudicados com conversas e agitação dos mais rápidos.

6-  A flexibilidade em sala de aula permite uma aprendizagem mais dinâmica e melhor, percebida por todos os alunos. O professor que ministra bem os conflitos em ala de aula, que tem “jogo de cintura” e apresenta o conteúdo com prazer mantém seus alunos “plugados” na sala de aula.

Desta forma, sabedores deste mecanismo neural que impulsiona a aprendizagem, das estratégias facilitadoras que estimulam as sinapses e consolidam o conhecimento, dessa magia onde cada estrutura cerebral se interliga para que todos os canais sejam ativados. Assim ,como numa orquestra afinadíssima, onde a melodia sai perfeita, estar de posse desses importantes conhecimentos e descobertas será como reger uma orquestra onde o maestro saberá o quão precisamente estão afinados seus instrumentos e como poderá tirar deles melodias harmoniosas e suaves.

A neurociência se constitui assim em atual e uma grande aliada do professor para poder  identificar o individuo como ser único, pensante, atuante, que aprende de uma maneira toda sua, única e especial. Desvendando os mistérios que envolvem o cérebro na hora da aprendizagem, a neurociência disponibiliza, ao moderno professor (neuroeducador), impressionantes e sólidos conhecimentos sobre como se processam a linguagem, a memória, o esquecimento, o humor, o sono, a atenção, o medo, como incorporamos o conhecimento, o desenvolvimento infantil, as nuances do desenvolvimento cerebral desta infância e os processos que estão envolvidos na aprendizagem acadêmica.  Logo, um vasto campo de preciosas informações relacionadas ao aluno e ao processo de absorção da aprendizagem a ele proporcionada. Tomarmos posse desses novos e fascinantes conhecimentos é imprescindível e de fundamental importância para uma pedagogia moderna, ativa, contemporânea, que se mostre atuante e voltada às exigências do aprendizado em nosso mundo globalizado, veloz, complexo e cada vez mais exigente.

Conceitos como neurônios, sinapses, sistemas atencionais, (que viabilizam o gerenciamento da aprendizagem), mecanismos mnemônicos (fundamentais para o entendimento da consolidação das memórias), neurônios espelho, que possibilitam a espécie humana progressos na comunicação, compreensão e no aprendizado e plasticidade cerebral, ou seja, o conhecimento de que o cérebro continua a desenvolver-se, a aprender e a mudar não mais estarão sendo discutidos apenas por neurocientistas, como até então imaginávamos.  Estarão agora, na verdade, em sala de aula, no dia a dia do educador, pois uma nova visão de aprendizagem está a se delinear. O fracasso e insucesso escolar têm hoje um novo olhar, já que uma nova e fascinante gama de informações e conhecimentos está á disposição do educador moderno.

Graças à neurociência da aprendizagem, os transtornos comportamentais e da aprendizagem passaram a ser mais facilmente compreendidos pelos educadores, que aliados a neurociência tem subsídios para a elaboração de estratégias mais adequadas a cada caso. Um professor qualificado e capacitado, um método de ensino adequado e uma família facilitadora dessa aprendizagem são fatores fundamentais para que todo esse conhecimento que a neurociências nos viabiliza seja efetivo, interagindo com as características do cérebro de nosso aluno. Esta nova base de conhecimentos habilita o educador a ampliar ainda mais as suas atividades educacionais, abrindo uma nova estrada no campo do aprendizado e da transmissão do saber.

Autor: Vera Lucia Mietto

Fonte:  http://www.pedagogia.com.br/artigos/neurocienciaaeducacao/index.php?pagina=0

Motivos para não abandonar a carreira de professor

Há muitos. O mais forte deles: os professores são os verdadeiros protagonistas das mudanças, pois podem transformar a realidade da escola.

Esta coluna tem comunicação direta com professores em condições bem diversas, pois NOVA ESCOLA fala com quem chega à escola de metrô, ônibus, barco, carro e bicicleta; com aqueles que carecem de materiais básicos e com quem acessa a internet em classe; com quem ainda não se formou e quem já se especializou. Por e-mail e em visitas a escolas, os diálogos que travo com docentes dão lições de esperança e de superação, mas também mostram por que alguns pensam em deixar a escola.

Entre o fim do ano passado e o começo de 2012, me correspondi com um professor disposto a mudar de profissão. Desanimado, ele se queixava da carreira, mal estruturada e mal remunerada, da dificuldade de tratar com estudantes inquietos e famílias ausentes e da falta de políticas para apoiar seu trabalho. Cada uma das razões tem fundamento e, quando se somam, parecem justificar o desânimo de quem trabalha demais, ganha de menos e ainda leva a culpa por insucessos causados por razões estruturais.

Como não concordo com a desistência diante dessas adversidades, tentei mostrar a ele que, a despeito disso tudo, vale a pena prosseguir. Portanto, vou tratar de cada um desses aspectos, pois podem servir de alento para professores que, à semelhança desse leitor, estejam cogitando abandonar a profissão.

Começo pelo mais difícil: carreira. É fato que a ampliação do atendimento escolar no Brasil demandou enorme aumento no número de professores, com perda de status e salário. No entanto, a exigência da formação superior para todos os educadores e do piso nacional para sua remuneração, mesmo que não totalmente cumprida, já sinaliza um novo entendimento sobre o trabalho docente. Hoje, por exemplo, valorizamos quem trabalha na Educação Infantil, o que antes nem sequer era considerado profissão. Esse é ainda um caminho acidentado, que estamos pavimentando.

Segundo problema: o atendimento a alunos inquietos. Lecionar para esse público requer difíceis mudanças de estratégia. Aliás, essas novas maneiras de ensinar – bem diferentes do que vimos em nossa formação – são necessárias para acompanhar o novo mundo do trabalho, que exige pessoas autônomas. Essa tarefa tem tornado o trabalho de educar muito mais criativo e estimulante.

Por último, trato das políticas públicas. Os professores têm sido os reais protagonistas da reinvenção da escola. Afinal, o ensino deixou de ser linha de transmissão. O desejado, agora, é promover situações de aprendizagem e, para isso, os educadores precisam se aperfeiçoar. Nesse sentido, contam com o apoio de programas governamentais que facilitam o acesso à formação superior e a especializações. Já as políticas de avaliação escolar, apesar de estimularem discutíveis classificações de escolas, protegem os docentes de julgamentos por vezes arbitrários ao darem critérios de aferição do aprendizado.

Enfim, há um difícil caminho ainda por percorrer, mas estamos no rumo certo. Os argumentos aqui reunidos retomam minha correspondência com leitores, suas conquistas e seus desencantos. No entanto, há outras dezenas de razões para continuarmos nossa tarefa. Muitas delas estão por trás de cada par de olhos que nos acompanham em aula. Ignorá-las seria abandonar as perspectivas de todos os nossos jovens, algo bem mais difícil do que contestar meus argumentos. Felizmente, eles foram aceitos pelo leitor que me escreveu. Eu me alegro em dizer que ele continua em sala de aula, desempenhando suas funções.

Fonte: http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia/educacao/professores-motivos-nao-abandonar-carreira-transformar-realidade-escola-697446.shtml

Escolas também são responsáveis por bullying

A revista Gestão Educacional  publicou essa matéria sobre bullying com a ajuda de Telma Vinha.
A cada dia esse problema é mais discutido em rodas  de conselhos escolares, questionado por pais e professores e praticado por crianças e adolecentes. Resolver definitivamente esse conflito é quase impossivel, mas trabalhar para amenizar essas situações é um dever de todos os envolvidos.

 

Uma escola do Rio de Janeiro foi condenada judicialmente a pagar R$ 35 mil, no ano passado, por danos morais à família de uma ex-aluna vítima de bullying, por agressões que ocorreram em 2003. O episódio não é um caso isolado no Brasil. Já existe uma jurisprudência crescente no sentido de responsabilizar tanto a instituição de ensino quanto a família do agressor, menor de idade, por não ter tomado medidas suficientes para evitar ou lidar com o problema. Diante desse cenário, as escolas não têm mais como ignorar o bullying. Para prevenir as agressões e construir uma cultura de paz, na opinião dos especialistas, não basta apenas instituir regras ou punições, é preciso compreender melhor esse fenômeno social, suas causas e a importância do processo educacional no aprendizado da convivência.

Antes de mais nada, é necessário saber identificar o bullying. Segundo a pedagoga Telma Vinha, doutora em Educação e professora do Departamento de Psicologia Educacional da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), pesquisadora na área de Relações Interpessoais e Desenvolvimento Moral, o termo é utilizado para designar atos agressivos entre os estudantes, e sua prática apresenta mais de uma característica típica. Os aspectos principais relacionados ao bullying são quatro: há intenção do(s) autor(es) em ferir; são atos repetidos contra um ou mais alvos constantes; há uma espécie de concordância do alvo sobre o que pensam dele (por isso há crianças obesas que são alvos e outras não) e há um público que prestigia as agressões – os ataques são escondidos dos adultos mas nunca dos pares. “Vale a pena destacar que esses espectadores alimentam o problema, dando poder, prestígio [ao autor], por compactuarem com o que ocorre. Muitas vezes, este público participa com risos e olhares, mantendo a imagem de que isto é divertido e que pertence ao grupo dos mais poderosos ou, pelo menos, não faz parte do grupo dos mais ‘fracos’. Há também o medo de se tornar a ‘próxima vítima’. É preciso ficar do ‘lado do mais forte’”, ressalta Telma.

Mesmo quando às vezes tomam conhecimento do problema, algumas escolas não agem para tentar solucioná-lo; preferem fazer de conta que nada está acontecendo. Foi o caso das instituições de ensino públicas e privadas pelas quais passou Alexandre Saldanha, vítima de bullying durante toda a infância e adolescência, que acabou se tornando advogado e dedicando sua vida profissional e acadêmica ao combate desse tipo de violência. Saldanha conta que por ter sido uma criança “gordinha” e com limitações motoras devido a sequelas de uma hemiparesia direita, decorrente de seu nascimento prematuro, sofria com gozações perversas por parte dos colegas, que o levaram ao isolamento. Quando criou coragem para quebrar o silêncio, não obteve apoio. “As direções das escolas assumiram uma política corporativa, encobrindo o fato e afirmando que aquela situação se tratava de uma brincadeira de criança e, por isso, nada podiam fazer”, relata.

Do ponto de vista legal, o bullying – com essa denominação – não é crime, porém já existe uma proposta, que faz parte do projeto de reforma do Código Penal, para criminalizar a prática e instituir pena de um a quatro anos de prisão. Entretanto, atualmente, tanto as escolas quanto os professores e as famílias dos agressores podem ser responsabilizados pelas consequências do ato e condenados a pagar indenizações às vítimas por danos morais, como vem ocorrendo e sendo noticiado pela mídia cada vez com mais frequência, com base em dispositivos do Código Civil, da Constituição Federal e do Estatuto da Criança e do Adolescente. “Como o bullying acontece dentro das dependências do estabelecimento de ensino no período de estadia dos educandos, vê-se a figura da responsabilidade das escolas pelos danos causados pelos seus alunos entre eles ou a terceiros”, afirma Alexandre Saldanha, que atualmente mantém um blog sobre bullying e Direito.

No caso do cyberbullying, em que as agressões ou ofensas acontecem no meio virtual, a responsabilidade só pode ser atribuída também à escola se o aluno usar o computador da instituição de ensino para o seu ataque aos colegas. Caso o problema ocorra fora da escola, são os pais ou responsáveis que terão que arcar com as consequências dos atos do filho menor de idade.

Conscientização

Ainda é difícil precisar a gravidade do bullying no Brasil. O estudo Bullying no Ambiente Escolar, realizado pela organização não governamental Plan Brasil, voltada para a defesa dos direitos da infância, revelou que o ato foi praticado e sofrido por 10% dos alunos pesquisados. Nesse estudo, denominou-se bullying a agressão a uma mesma pessoa superior a três vezes durante o ano letivo. Participaram da pesquisa, concluída em 2010, 5.168 estudantes, além de pais, responsáveis, professores e gestores de instituições nas cinco regiões do País. Já em um estudo feito em 2009 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), quase um terço dos alunos respondeu já ter sofrido bullying alguma vez na vida.

Com a exploração crescente do tema pela mídia, muitas vezes sem as informações adequadas, não é incomum que exista uma confusão entre o que faz parte dos conflitos naturais do processo de convivência na infância e adolescência e o que pode ser configurado como bullying. Por causa dessas distorções, problemas que deveriam ser tratados no âmbito escolar estão indo parar nos fóruns e nas delegacias. É com o intuito de diminuir essas ocorrências que o Centro de Apoio Operacional (CAO) da Infância e Juventude do Ministério da Justiça de Santa Catarina desenvolve desde 2010 a campanha Bullying, isso não é brincadeira. O programa integra as ações de uma lei antibullying, aprovada no Estado de Santa Catarina em 2009. “Percebemos que havia um grande número de crianças e adolescentes que eram apontados como autores de ato infracional quando, na verdade, haviam praticado uma infração disciplinar. Assuntos que deveriam ser resolvidos dentro da escola estavam sendo judicializados”, explica a promotora de Justiça e coordenadora do CAO da Infância e Juventude, Priscilla Linhares Albino. Segundo a promotora, muitas vezes coisas simples como um empurrão ou o uso de um apelido, em episódios esporádicos, estavam sendo confundidos com atos infracionais. Priscilla ressalta que todos os comportamentos inapropriados devem ser observados pelos responsáveis nas escolas; entretanto, isso não significa que essas ações possam ser classificadas como bullying.

Para esclarecer a comunidade escolar, foram desenvolvidos e enviados materiais sobre o tema para todas as instituições de ensino catarinenses. O Ministério da Justiça também promoveu palestras para professores, psicólogos e assistentes sociais. Depois da campanha, segundo Priscilla Albino, houve uma mudança no comprometimento das escolas e dos educadores, além da redução do número de casos encaminhados para a Justiça.

Formação e prevenção

Para combater o bullying, não basta punir o culpado. Aliás, muitas vezes o autor da prática também já foi vítima de violência. Para ter resultados efetivos e consistentes, as escolas precisam atuar nas causas, buscando compreender melhor o contexto educacional. “As medidas punitivas sugeridas são controversas e humilhantes, podendo acarretar sentimentos de raiva e vingança posterior. Além disso, fazem com que o autor ‘quite o débito’, não possibilitando a tomada de consciência do alcance dos seus atos”, alerta Telma Vinha. A pedagoga destaca a importânciade investir na qualidade das relações interpessoais, a partir de um exercício de resolução de conflitos cotidianos, e da realização de um trabalho em que os alunos desenvolvam o autorrespeito e, consequentemente, o respeito pelo outro. Telma não acredita que propostas focadas apenas no estabelecimento de regras e deveres contribuam para uma convivência ética e saudável.

O advogado Alexandre Saldanha também não aposta no modelo punitivo tradicional como forma de evitar o bullying. Saldanha propõe o uso de uma forma alternativa à justiça comum. “A justiça restaurativa promove o diálogo entre as partes envolvidas em agressões, sem prévios julgamentos de quem está certo ou errado. Todos são ouvidos igualmente e, da mesma forma, são envolvidos em torno do comprometimento de solucionar pacificamente o conflito”, observa.

Para Nei Alberto Salles Filho, professor da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG-PR) e coordenador do Núcleo de Estudos e Formação de Professores em Educação para a Paz e Convivências (NEP), o bullying é apenas parte de uma situação muito mais ampla e complexa. “Embora seja um problema sério, é o que podemos chamar de ‘ponta do iceberg’ de um processo de falta de respeito, intolerância, de total identificação com o outro; ou, dito de outra forma, o bullying é o resultado da falta de um clima escolar acolhedor e relações de convivência positivas”, resume. Nei Salles acredita que o contexto em que as crianças e os adolescentes estão crescendo, observando muitas vezes adultos violentos, competitivos e intolerantes na família, no trânsito e até nas escolas, influencia esses comportamentos. Para lidar com essa realidade, o professor da UEPG defende a formação ampliada dos docentes, de modo a capacitá-los para perceber a complexidade do processo educacional. O trabalho do NEP, segundo o coordenador, baseia-se nos processos de restauração dos valores humanos, mediação de conflitos, qualificação das convivências escolares e fortalecimento da gestão educacional voltada à educação para a paz, que são colocados em prática pelos professores em suas instituições de ensino depois do curso.

A escola não é a única responsável pelo trabalho de ensinar a boa arte da convivência. A família, como agente da socialização primária, exerce papel fundamental no aprendizado do viver em sociedade. Mas, para a professora da Unicamp, o fracasso da família nessa tarefa não implica no mesmo resultado pela instituição de ensino, onde acontece a socialização secundária. “A escola não pode depender do bom desempenho da família para educar seus alunos para a vivência em uma sociedade democrática e contemporânea e nem esperar receber alunos ideais como pré-requisito para ter êxito em sua tarefa. Aliás, as crianças que apresentam dificuldades provavelmente decorrentes do ambiente familiar são as que mais precisam do apoio da escola para se inserir socialmente”, defende Telma Vinha.

 

Matéria publicada na edição de setembro de 2012 da revista Gestão Educacional.