Pintura com pó orgânicos


Valorizar o processo criativo

 

Possibilitar  as crianças que conheçam outras formas, texturas e materiais para criar, brincar, cheirar, comer e sujar-se …

  É na troca de experiências que descobrimos uma nova possibilidade de inventar!

Artista usa pó de janelas de carros para “pintar”

O americano Scott Wade usa materiais inusitados para fazer sua arte: poeira e vidros de carros. Ele pinta obras complexas usando apenas o pó que fica sobre as janelas dos carros.

A “pintura” dura apenas até a próxima lavagem, mas o trabalho detalhista de Wade chama a atenção. Assista no vídeo abaixo como funciona o processo de realização da obra:

0,,43125066,00

Processo

  • Podemos falar de onde esses pós vieram (estudo da origem da matéria prima), ex: pó de café – De onde vem o café?

A palavra “café” vem do árabe Kahoua ou Qahwa (o excitante) e designa: o fruto do cafeeiro; bebida preparada por infusão de água quente com café torrado e moído; lugar público onde se tome café ou outras bebidas; cor café, um marrom escuro que lembra o grão de café torrado.

 

  • Vamos cheirar o pó de café? (Deixar que eles relatem suas experiências passados).
  • Como podemos pintar com o pó? (deixar que investiguem possibilidades).
  • Como fixar o pó no papelão? (deixar que investiguem possibilidades).

Fazer artístico

Liberta total de expressão (coletiva e individual)

Este slideshow necessita de JavaScript.

Materiais

  • pó (elementos orgânicos ou sustentáveis)
  • Qualquer tipo de tempero
  • café em pó
  • urucum
  • cúrcuma
  • curry
  • moringa em pó
  • cola branca
  • suporte de papelão diversos
  • moldura: pode ser feita com grãos, pedrinhas ou tiras de papel colorido

Boas experimentações!


 

Anúncios

14 de março dia da Poesia e dos animais!

Nesse dia podemos fazer uns minutinhos de poesia… O tema é animais, afinal o dia é deles também.Juntem-se em um pequeno grupinho e escrevam um poema. Depois cada grupo recitará seu verso, para juntos criarmos um grande poema unindo toda a sala.

No final podemos fazer um grande desenho para ilustrar o poema.

  • Papelão – caixas diversas (base)
  • Giz pastel oleoso
  • Recortes de animais em revistas e jornais

O trabalho de conscientização e sensibilização já começa agora, nessa proposta a criatividade é a maior ferramenta !

Poesia é um gênero literário caracterizado pela composição em versos estruturados de forma harmoniosa. É uma manifestação de beleza e estética retratada pelo poeta em forma de palavras. No sentido figurado, poesia é tudo aquilo que comove, que sensibiliza e desperta sentimentos.

Para comemorar essa data tão querida, lá vai o meu poema:

A ave no céu

 

Uma ave que voa no céu sem rumo,

Vive em rumo à felicidade,

Sente a brisa da verdade,

E canta a canção da eternidade,

Na sintonia da vibração perfeita

Essa é a natureza.

Com suas enumeras facetas.

 

ARTE PARA SANAR PROBLEMAS DE RELACIONAMEMTO

Os estudantes as vezes passam um ano letivo inteiro em conflitos… Por não aprenderem a lidar com as diferenças, muitas vezes a falta de “respeito” com o próxima leva a sala inteira a criar barreiras de relacionamento. 

A arte pode ajudar?

Mas é claro que sim… Qualquer atividade coletiva sem competição pode ajudar a melhorar o relacionamento da turma.  Nada melhor que estimular o ALTRUÍSMO E A COOPERAÇÃO.

Vamos começar com um documentário:

A Revolução do Altruísmo – Doc. NETFLIX

Sinopse: Sam Polk viveu por anos consumido pelo dinheiro do mercado financeiro, mas depois da crise de 2008 decidiu se dedicar a uma vida mais altruísta. No (NETFLIX).

Documentário que surge após palestras do pesquisador: Matthieu Ricard.

O que é altruísmo? Simplificando, é o desejo de que outras pessoas sejam felizes. Matthieu Ricard, pesquisador de felicidade e monge budista de linha tibetana, diz que o altruísmo é também uma ótima lente para tomada de decisões, tanto a curto como a longo prazo, no trabalho e na vida.

A arte entra como ferramenta de socialização, vamos juntos criar uma obra de acordo com as cores que vocês sentem necessidade de usar… Usar o vermelho por qual motivo? O que ele te transmite?…. Azul trás calma… O verde…

O suporte usado foi um isopor  “velho”… usado pela professora de geografia em uma maquete e descartado… Eu como sou conhecida por: RAINHA DA SUCATA logo saberia que teria um momento certo para reutilizar  e transformar em obra de arte e expor pelo colégio.

 

MONET – Pincelas coletivas

Com o colégio em obras, resolvemos dar uma cara diferente e revigorante para o corredor das salas do fundamental. Pelas mãos dos artistas do 7 º ano, fizemos uma releitura da obra: A ponte japonesa, 1900 de Claude Monet. 

TODOS FICARAM IMPRESSIONADOS COM O IMPRESSIONISMO DA OBRA!

Com a professora de ciências os alunos aprenderam sobre botânica e leram o livro:

Um livro que conta um pouco da história de Monet, 40976_315através da natureza . Mas na hora de fazer o grande painel, traçamos com lápis o fundo e praticamos as pinceladas de Monet em papéis de rascunho. (Folhas usadas)

Nosso maior objetivo era trazer um pouco de verde, cor revigorante e de cura, para nosso corredor em obras (machucado). Nada melhor que um pedacinho da natureza dentro da escola.

Todos discutem minha arte e fingem compreender, como se fosse necessário compreendê-la, quando é simplesmente necesssário amar.”  Claude Monet

Confira o resultado de muita calma, paciência, amor, respeito e cooperação! Educando para o altruísmo…

Richard Louv: ‘Pediatras estão começando a prescrever natureza’

“As experiências no mundo natural oferecem grandes benefícios para a saúde psicológica e física, e para a capacidade de aprender de crianças e adultos”

Em recente passagem pelo Brasil, o jornalista e ativista Richard Louv, que é autor de nove livros, e fundador da Children & Nature Network, participou do I Seminário Criança e Natureza e convocou famílias, educadores, formuladores de políticas públicas e gestores públicos a partirem para a ação. “A consciência [em relação à importância do contato com a natureza] tem crescido ao longo da última década, mas precisamos avançar mais rapidamente para um modo de ação”.

O Catraquinha conversou com ele sobre caminhos para aproximar famílias da natureza, educação infantil, políticas públicas inovadoras, cidades para crianças e muito mais, confira:

Você é jornalista, como escolheu sua causa e tornou-se um ativista?

Richard Louv: Eu cresci em Missouri e no Kansas, e sempre passei muito tempo com meu cachorro no bosque que havia no entorno do local onde morávamos. Por isso, pude perceber, ainda menino, o quanto esse tipo de experiência era importante. No começo dos anos 80, durante minha pesquisa para um livro, entrevistei por volta de três mil crianças e seus pais por todos os Estados Unidos, nos centros urbanos, periferias e áreas rurais. E o tema da relação das crianças com a natureza sempre vinha à tona, tanto nas salas de aula, quanto nas casas das famílias.  Eu não pude deixar de notar a crescente separação entre o jovem e o mundo natural, e as implicações sociais, espirituais, psicológicas e ambientais desta mudança. E, por fim, havia as perguntas dos meus próprios filhos sobre as mudanças que eles mesmos observavam.

Poderia mencionar algum estudo científico importante que mostre evidências de que brincar na natureza impacta positivamente a saúde e o desenvolvimento das crianças?

Richard Louv: As pesquisas sobre o tema têm se expandido muito nos últimos anos. O mundo acadêmico está olhando para esse assunto há pouco tempo, então a maioria das evidências é de co-relação, não causal, embora haja uma tendência de apontar para uma direção: de que as experiências no mundo natural oferecem grandes benefícios para a saúde psicológica e física, e para a capacidade de aprender de crianças e adultos.

As pesquisas sugerem fortemente que o tempo na natureza pode ajudar muitas crianças a aprender a construir a confiança em si mesmos; reduzir os sintomas de Déficit de Atenção e Hiperatividade; acalmar crianças e ajudá-las a se concentrar.

Escolas com espaços para brincadeiras e aprendizado ao ar livre impactam positivamente os resultados acadêmicos das crianças. Há, também, indícios de que as brincadeiras ao ar livre podem reduzir o bullying, assim como obesidade infantil e excesso de peso, por oferecerem outros benefícios para a saúde psicológica e física.

O tempo gasto na natureza não é, obviamente, uma cura para tudo, mas pode ser uma grande ajuda, especialmente para as crianças que são forçadas por circunstâncias além de seu controle.

Qual é a sua opinião sobre a pediatria contemporânea?

Richard Louv: Os pediatras estão entre os profissionais de saúde mais abertos à ideia de atividade natureza como uma forma de terapia e prevenção de problemas de saúde. Eles estão começando a “prescrever” a natureza. O Dr. Robert Zarr , de Washington criou um extenso banco de dados sobre parques urbanos da lá para compartilhar com outros pediatras que queiram indicar para as famílias.

Há alguma política pública que você considere inovadora e que contribua para aproximar as famílias da natureza? 

Richard Louv: Estamos vendo progresso. Um exemplo é a “Every kid in a Park” (Toda criança em um Parque, em tradução livre), uma política pública do governo americano, que oferece um passe anual gratuito para qualquer parque nacional para crianças e suas famílias. Também estamos vendo os pediatras “prescreverem” a natureza para as famílias. Em Washington, em 2012, a União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN) aprovou uma resolução declarando é um direito de toda criança ter uma ligação positiva com a natureza.

Na sua opinião, como seria a cidade perfeita para a infância?

Richard Louv: Uma em que nossas vidas estivessem tão imersa na natureza todos os dias como estamos imersos na tecnologia. Não há uma cidade perfeita, ainda. A Children & Nature Network está em uma nova parceria com a Liga Nacional de Cidades, com uma adesão de mais de 19 mil prefeitos e outras autoridades municipais,  com o objetivo de determinar o que constitui uma cidade rica em natureza, determinar parâmetros para avaliar e acompanhar a evolução dessas cidades, e capacitar futuros prefeitos e outros líderes cívicos. Eu gostaria de desafiar cada uma das cidades do Brasil a desafiarem a si mesmas a se tornarem a melhor cidade do país para crianças e natureza – ou a cidade mais rica em natureza no mundo.

Como a educação infantil pode contribuir para trazer as crianças mais perto da natureza?

Richard Louv:  Além da pesquisa que eu mencionei anteriormente, outros estudos têm relatado, escolas que usam salas de aula ao ar livre, ganhos no aprendizado das crianças em diferentes matérias e também melhorias em habilidades relativas à resolução de problemas, pensamento crítico e tomada de decisão melhorada. Além disso, há estudos que sugerem que o tempo em ambientes naturais também estimula a criatividade das crianças.

crianca_e_natureza_2

Em 2005 você lançou o ” Transtorno Nature Defict “, desde então se tornou uma voz importante disseminar esse conceito . Que progressos foram alcançados? E o que você espera alcançar?

Richard Louv:  Estou animado com o progresso em todo o mundo, da China para os EUA para o Brasil. No Brasil, o Instituto Alana, lançou o seu mais novo projeto,Criança e Natureza, que será um ponto focal de ações e debates sobre o tema. Mas, em última análise, nosso progresso será medido menos pelo número de programas e mais pela extensão da mudança cultural. Tenho o prazer de informar que, em 2012, a União Internacional para a conservação da natureza (IUCN) aprovou uma resolução declarando que toda criança tem o direito humano a uma conexão positiva com a natureza.

 

FONTE: https://catraquinha.catracalivre.com.br/geral/defender/indicacao/richard-louv-pediatras-estao-comecando-prescrever-natureza/

 

Técnica mista Sustentável -Felicidade Eudaimonia

Técnica mista e sustentável, afinal quase 90% do material foi reaproveitado e a obra realizada de forma compartilhada!

Os alunos criaram suas obras de acordo com a proposta estabelecida:

Vocês estão livres para criar neste suporte (tela velha), o que quiserem…Trabalhando em equipe!

Deixar que as crianças façam suas composições de acordo com suas emoções, sem mostra referencias artísticas,  pode ser um caminho ousado para uns, mais a liberdade total de expressão, ajuda na criatividade e exerce no cérebro “prazeres cognitivos” estimulando os dois hemisférios cerebrais, a neurociência já provou isso. A felicidade está no ato de compartilhar, dividir, ajudar o próximo, vivenciar o bem-estar com outras pessoas, transcender o individualismo.

A BUSCA DE PRAZER DE FORMA HEDÔNICA ALTERA O PADRÃO DE EXPRESSÃO GENÉTICA DE MANEIRA SEMELHANTE AO ESTRESSE, ENQUANTO A FELICIDADE LIGADA AO SENTIDO, OU EUDAIMONIA, TURBINA O SISTEMA IMUNE

A nova ciência da Psicologia Positiva tem ampliado seus estudos em diferentes domínios, incluindo pesquisas em Neurociências. Uma das questões fundamentais para a Psicologia Positiva é o avanço na compreensão científica da felicidade. O conceito de bem-estar subjetivo, atualmente, se desdobra em duas importantes vertentes. Os psicólogos positivos distinguem entre dois tipos essenciais de bem-estar subjetivo, a felicidade eudaimônica e a hedônica. Enquanto a felicidade hedônica se refere primariamente à somatória das experiências afetivas positivas vivenciadas por um indivíduo, a felicidade eudaimônica, um conceito originalmente formulado por Aristóteles, envolve um senso de propósito e direcionamento da vida para alcançar um potencial. A eudaimonia é um tipo de felicidade mais profunda, que resulta do esforço feito em direção a algo maior que tenha sentido para a pessoa, algo com nobreza na proposta e que ultrapasse a simples autogratificação.

Para saber mais:
Fredrickson, B. L. et al. A functional genomic perspective on human well-being, PNAS – Proceedings of the National Academy of Sciences, v. 110, n. 33, p. 13684-13689, July 29, 2013.

Confira:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Objetivo:

Criar sem limitação, trabalhar a criatividade.

Fundamental I e II

Materiais  sustentáveis diversos, tinta guache e tinta acrílica, suporte- tela usada, spray, amor e compartilhamento.

 

Escola cria campanha de financiamento para tornar-se sustentável

O coletivo Organicidade e a Morada da Floresta foram procurados pelo Centro de Educação Infantil – CEI Jamir Dagir, localizada na zona oeste de São Paulo, em busca de apoio técnico para se tornar uma instituição exemplar em práticas sustentáveis.

Foi aí que surgiu a oportunidade de implementar uma proposta pedagógica que inclua a questão ambiental e que contribua para mudar atitudes e hábitos rumo a uma cultura de maior sustentabilidade. Isto quer dizer: possibilitar que as crianças de zero a três anos se desenvolvam plenamente por meio do contato livre e direto com a natureza, criar espaços educadores sustentáveis, implementar boas práticas como a compostagem de 100% dos resíduos orgânicos da escola e disseminar estas iniciativas à toda comunidade escolar por meio de parcerias.

Parquinho do CEI Jamir Dagir.

Para fazer com o projeto se torne realidade, o coletivo criou uma campanha de financiamento coletivo na plataforma Catarse.  A meta é arrecadar R$ 14.300.

  • Clique aqui para apoiar.

Com o dinheiro arrecadado, serão oferecidas oficinas de educação ambiental e criado um sistema de reciclagem dos resíduos orgânicos com professores e crianças para ensinar a importância do contato com a natureza. Entenda aqui as etapas e como o trabalho será realizado.

“Iniciar este projeto ignifica reconhecer e honrar a escola como polo irradiador de uma cultura de sustentabilidade. Honrar a criança que, por viver no mar de concreto que é São Paulo, acaba se distanciando de sua essência; criança é natureza”, afirmou o coletivo.

FONTE: https://catraquinha.catracalivre.com.br/geral/aprender/indicacao/escola-cria-campanha-de-financiamento-para-tornar-se-sustentavel/