Arte Naif

Arte naïf. O termo naif – ingênuo – presume a existência, por contraste, de uma forma de arte acadêmica, “não-ingênua”, “consciente”, de executar uma obra artística que os artistas desta corrente não seguem.

Arte Naïf começou a afirmar-se como uma corrente que aborda os contextos artísticos de modo espontâneo e com plena liberdade estética e de expressão e os seus seguidores definem-na hoje como “a arte livre de convenções”.

Objetivo

  • Compreender o conceito de Arte Naif
  • Trabalhar a socialização através da criação de uma obra coletiva
  • estimular a criatividade do grupo

Material

  • papelão (suporte)
  • diversas tintas
  • retalhos de tecidos
  • papéis usados de presente
  • jornal
  • furador \ pincéis

Processo

Conversa, vídeo educativo, criação artística (coletiva\ individual) , apresentação e fechamento com exposição exposição.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Indonésia constrói biblioteca gratuita com duas mil embalagens de sorvete usadas

Quando se trata de incentivar a leitura, vale tudo! Bibliotecas itinerantes em lugares inusitados e até mesmo nos pontos de ônibus da cidade. Quando a iniciativa ainda consegue aliar educação à reutilização de materiais que iriam para o lixo, bingo. Nós amamos!

biblioteca

É o caso da adorável biblioteca construída na Indonésia com 2 mil embalagens de sorvete vazias. Idealizado pela empresa de arquitetura SHAU Bandung, o projeto faz parte de um protótipo de empreendimento que prevê a construção de mais bibliotecas parecidas por todo o país.

O objetivo da iniciativa é fomentar o hábito da leitura entre a população indonésia, que segundo pesquisas anda lendo cada vez menos. O prédio servirá como um espaço cultural, onde as pessoas podem ter acesso gratuito a livros, cursos e outras mídias.

E mais: a biblioteca foi construída a partir de simples técnicas de construção. Graças ao clima local, não é preciso sequer se preocupar com a climatização do espaço. A disposição dos potes de sorvete foi pensada para permitir uma ventilação naturalmente agradável. Além disso, o material permite também a incidência de luz do sol, dispensando uso de eletricidade. Pra crítico nenhum botar defeito!

Fonte: http://thegreenestpost.bol.uol.com.br/biblioteca-da-indonesia-e-construida-com-2-mil-embalagens-de-sorvete-reutilizadas/

Chinelos velhos viram brinquedos na África e já tiraram mais de 400 toneladas de lixo do Oceano

Iniciativas esperançosas em busca de soluções sustentáveis para nosso Planeta, além de beneficiar o ecossistema, esse projeto ajuda a comunidade local. Exemplos assim devem ser compartilhados, conscientizando os demais cidadães da TERRA.

tartarugas-chinelos-praia-reciclagem

Passeando pelas praias da costa leste da África, você pode se deparar com esculturas coloridas de elefantes, javalis, rinocerontes, leões e girafas, algumas em tamanho real, feitas com chinelos de borracha velhos encontrados no mar.

Por Daniel Froes

A transformação desses materiais em peças de arte e moda é ideia da empresa Ocean Sole. Com sede em Nairóbi, capital do Quênia, o negócio reaproveita sandálias velhas e outras peças de borracha encontradas nas praias do país. O resultado do trabalho são criações lúdicas que chegam a ser vendidas para jardins zoológicos, aquários e lojas de nicho de 20 países.

“A poluição em todos os nossos cursos de água é um grande problema”, diz Church, nascida e criada no Quênia. “Os rios estão entupidos com plástico e borracha”, ela acrescenta. “Quando as pessoas dizem que o oceano é uma sopa de plástico, é porque o plástico não vai embora – ele só se decompõe em partes menores”.

Segundo os cientistas, o tempo de decomposição desses resíduos varia de 100 a 600 anos. Em grandes quantidades no fundo dos oceanos, são alguns dos principais vilões da vida marinha, responsáveis pela morte de peixes, crustáceos e outras espécies.

Como tudo começou

Em 1997, Church trabalhava num projeto de preservação de tartarugas marinhas na ilha de Kiwayu, na fronteira do Quênia com a Somália.

Na época, Church ficou chocada com uma cena desoladora: praias inundadas por objetos de plástico que obstruiam a chegada das tartarugas aos seus locais de desova.

Mas foi lá também que ela viu crianças da região fazendo brinquedos com o lixo retirado do mar. Nesse dia, ela decidiu fundar uma empresa focada na solução de um problema ambiental grave.

Church pensou que poderia ajudar a limpar as praias e, ao mesmo tempo, impulsionar o desenvolvimento econômico e social daquela comunidade, incentivando moradores locais a recolher, lavar e processar materiais recicláveis para terem uma renda.

Fonte:  http://www.geledes.org.br/chinelos-velhos-viram-brinquedos-na-africa-e-ja-tiraram-mais-de-400-toneladas-de-lixo-do-oceano/

Abstracionismo Coletivo

 

Sabe aquela bisnaga de tinta relevo que você nunca consegue tirar o resto de tinta lá de dentro. Porque fica velha, entope o pico e endurece…. Então, junta tudo, pegue uma tesoura boa ou estilete, corte as bisnagas. E comece a criar. Se precisar separe palitos para ajudar a puxar a tinta. Uma composição abstrata é uma boa opção!

Objetivos

  • Conscientizar os alunos sobre a importância de realizar ações artísticas em prol do planeta;
  • Apresentar o movimento Abstracionista;
  • Estimular a criatividade através de experiências práticas;
  • Brincar com as cores ao criar a composição;
  • Valorizar o trabalho em equipe e a liberdade de expressão;

Materiais

  • Suporte: papelão, madeira, pvc, isopor , etc…
  • Resto de tintas “endurecidas”
  • Tesoura
  • Saco plástico, servirá de luva

PROPOSTA

Uma aula sobre o movimento abstracionista é de fato algo mágico para o público infantil. Faça uma apresentação sobre as características das obras, o que as define como abstrata (lírica e geométrica).  Enriqueça o repertório visual dos alunos, não se apegue em fixar nomes de artistas e obras… Deixe fluir O MUNDO DA ABSTRAÇÃO, vamos visualizar imagens e imaginar nossas próprias criações.

Fugir da realidade requer incentivo… então, professor crie um ambiente abstrato propício!

Um artista em ação …  Sugestão de vídeo:

Ao iniciar a composição coloque música, psicodélica instrumental. Sugestão:

 

Deixe-os (alunos) livres para compor, fazer estudos com:

  • giz de cera
  • lápis de cor
  • aquarela
  • pastel : seco ou oleoso

Com certeza, ajudará as crianças  exercitarem a liberdade de expressão. Como educadora vejo o quanto somos oprimidos, a maior parte de nosso alunos fazem desenhos pequeninos. Muitos deles, quando deparam-se com uma folha A3, não sabem o que fazer, como agir diante desse imensurável  mundo branco “da folha”.

Ajude seu alunos a quebrar barreiras “emocionais,” isso valerá muito mais do que ensinar sobre: Kandinsky, Volpi, Klee, Pollock, Mondrian entre outros… Tudo que é para vida do indivíduo é mais importante, sem dúvida. Ele nunca esquecerá.

O professor deve sempre participar criando obras junto aos alunos. 

Problemática

O desperdício de material de alguma forma agride o meio ambiente ?

Quando estamos dispostos a recuperar um material que seria descartado ao lixo, ajudamos o planeta?

As obras do artistas mexeram com o seu emocional?

O que é abstrato para você?

O fazer

 

❤️♻️✅🌐🌈#sustentabiliarte #sustentabilidade#sostenible #arteecologica #arte#sustainability #artesustentavel #artkids#art #artchildrem #natureza #educacao #educar #vida #life #nature#suatentavel #reciclar #reaproveitar#reutilizar #ecologia #planetaterra#neurociencia 
#ecopedagogia #eco #ecoart#cidadaniaplanetaria #planetariedade#planetavivo

AOS PASSOS DE FRANS KRAJCBERG

Escultor, pintor, gravador, fotógrafo e ambientalista. Frans era um ecologista, dono de uma obra conceitual e ambiental, fruto de uma alma ativista e protetora. Assim é a vida de Krajecberg, onde a natureza torna-se a matéria-prima essencial do artista. A paisagem brasileira, em especial a floresta amazônica e a defesa do meio ambiente marcam toda a sua obra.

“Com minha obra, exprimo a consciência revoltada do planeta”

Frans K.

Objetivos


  • Conscientizar os alunos sobre a importância de realizar ações ambientais em prol do planeta;
  • Apresentar a Biografia de Frans Krajecberg;
  • Conectar a criança com a natureza, seu ambiente natural;
  • Apurar e aguçar os sentidos (olfato, tato, visual e auditivo).

Público-alvo


Educação Infantil e Fundamenta I e II

Materiais


  • Sementes
  • Troncos
  • Folhas secas
  • Papelão
  • Cola
  • Tesouras
  • Sacola – coletar os materiais

PROPOSTA


Uma aula sobre a vida de Frans e suas obras, em especial obras da série africana, marcam a carreira artística e ativista do artista, que vive e atua em defesa das florestas, registrando em suas fotos o desmatamento e as queimadas.

Debatemos os problemas que enfrentaremos se continuarmos a desmatar freneticamente.

Problemática

As florestas são os pulmões do planeta?

A história por trás dos fatos, que levaram o artista a produzir tais obras, tem significado para você (aluno)?

As obras do artista mexeram com o seu emocional?

Os alunos coletaram no chão (orientar os alunos para não agredir/arrancar da natureza viva), folhas, sementes, troncos e diversos resíduos naturais que eles achavam apropriados para ilustrar sua composição.  Serão duas obras: uma grande e coletiva, que poderá ser exposta no colégio mediante a um contrato didático e outra individual, um fragmento para levar para casa.

Vamos agora para o que realmente importa, o FAZER! Deixem que montem e desmontem quantas vezes forem necessárias, passar a cola somente quando todos estiverem de acordo com o resultado final. Momentos de apreciação devem ser estimulados pelo educador. Diga a seus alunos que parem e observem sua obra, um olhar bem próximo e um olhar distante são necessários na hora da montagem.

image1 (2) image2 (2) image3 (2) image4 (2) image5 (1) image6 (1)

Biografia
Frans Krajcberg (Kozienice, Polônia, 1921). Escultor, pintor, gravador, fotógrafo. Estuda engenharia e artes na Universidade de Leningrado. Durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), perde toda a família em um campo de concentração. Muda-se para a Alemanha, ingressando na Academia de Belas Artes de Stuttgart, onde é aluno de Willy Baumeister. Chega ao Brasil em 1948. Em 1951, participa da 1ª Bienal Internacional de São Paulo com duas pinturas. Reside por um breve período no Paraná, isolando-se na floresta para pintar. Em 1956, muda-se para o Rio de Janeiro, onde divide o ateliê com o escultor Franz Weissmann (1911-2005). Naturaliza-se brasileiro no ano seguinte. A partir de 1958, alterna residência entre o Rio de Janeiro, Paris e Ibiza. Desde 1972, reside em Nova Viçosa, no litoral sul da Bahia. Amplia o trabalho com escultura, iniciado em Minas Gerais, utilizando troncos e raízes, sobre os quais realiza intervenções. Viaja constantemente para a Amazônia e Mato Grosso e fotografa os desmatamentos e queimadas, revelando imagens dramáticas. Dessas viagens, retorna com raízes e troncos calcinados, que utiliza em suas esculturas. Na década de 1980, inicia a série Africana, utilizando raízes, cipós e caules de palmeiras associados a pigmentos minerais. A pesquisa e utilização de elementos da natureza, em especial da floresta amazônica, e a defesa do meio ambiente, marcam toda sua obra. O Instituto Frans Krajcberg, em Curitiba, é inaugurado em 2003, recebendo a doação de mais de uma centena de obras do artista.

Fonte: http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa10730/frans-krajcberg

Esculturas de cano de PVC- Construção Coletiva

Escultura
substantivo feminino
  1. 1.
    art.plást arte que se expressa pela criação de formas plásticas em volumes ou relevos, seja pela modelagem de substâncias maleáveis e/ou moldáveis, seja pelo desbaste de sólidos (como na torêutica e na glíptica), seja pela reunião de materiais e/ou objetos diversos.
  2. 2.
    art.plást a obra de arte que resulta do processo de esculpir.
    Partindo dessa definição, a aula buscou apresentar diferentes referências artísticas com intuito de a florar as ideias!  

    OBJETIVOS

    • Conscientizar os alunos sobre a importância de realizar ações em grupo de forma cooperativa/colaborativa;
    • Apresentar  diversos artistas cuja as obras são 3D;
    • Valorizar o uso de materiais recicláveis para compor obras;
    • Enriquecer o repertório artísticos dos alunos;

    MATERIAIS

    • Cano de PVC – diversos tamanhos e larguras
    • Serrinha
    • Cola de PVC e cola adesiva ex: Super Bonder
    • Suporte – pedaço de madeira
    • Spray – Diversas cores, ex: Colorgin /Montana
    • Lixa para cano de pvc

    PROPOSTA

    Fund II, a partir do 7º ano

    Apresentar uma linha cronológica do mundo das esculturas artísticas, ressaltar alguns nomes de artistas importantes na história a arte. Discutir com o grupo (alunos envolvidos) o valor estética, emocional, poético e o conceitual de algumas obras.

    Como educadores, sempre devemos, deixar que eles (alunos) falem seu ponto de vista por mais que, ao nosso ver, seja raso e imaturo, assim, podemos entender seu repertório (seu universo) artístico. O quanto ele se aprofunda em sua própria análise crítica. 

    Por fim, realizar uma exposição das obras feitas pelos alunos. Sempre crie um contrato didático, explicando o objetivo da atividade, ano e técnica usada.

    image7image5image4 (1)image1 (1)

    image3 (1)image2 (1)
    O FAZER
    A importância realmente está para o fazer, o resultado é consequência do envolvimento e entrosamento do grupo, afinal, é na construção que os alunos trocam experiências, expõem seus valores, aprendem a ouvir, a falar, a questionar de forma colaborativa, amadurecendo seu senso crítico e emocional.

A emoção também deve ser valorizada, em minhas aulas, eu valorizo atentamente a postura emocional de cada aluno. A arte, o fazer arte, é emoção, pura emoção e criatividade!

Nas escolas ainda trabalhamos de forma muito mais individualista. Nosso sistema educacional é sim, egoísta e egocêntrico. Mas a mudança só acontecerá se todos estiverem dispostos a aprender a escutar e agir com humildade. Os valores estão invertidos, desdá gestão educacional, passando pela administrativa indo até a sala de aula. Sendo que na verdade, o problema do egocentrismo é de parâmetro mundial. Mas como não sou pessimista (professora utópica) faço minha parte, e você?

Terra e Sustentabilidade – documentário completo

Para entender um pouco mais de sustentabilidade!

Aula de artes + Geografia = Interatividade e interdisciplinariedade.

O documentário Terra e Sustentabilidade apresenta os benefícios de um dos sistemas agrícolas mais eficientes do ponto de vista da sustentabilidade e da produtividade no campo, o sistema de manejo agrícola Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (iLPF), que tem como objetivo integrar produção de alimentos, fibras, energia e madeira, realizados na mesma área, em cultivo consorciado, em sucessão ou rotação.
Terra e Sustentabilidade mostra que as vantagens da recuperação de áreas e integração de cultivos são muitas: redução de custos de produção, melhor uso da terra, mais eficiência no uso da mão de obra e dos recursos de produção e uso adequado de energia, além da redução de emissões de gases de efeito estufa.
A John Deere participa ativamente do programa integração Lavoura-Pecuária-Floresta (iLPF). A empresa apresenta aos produtores, por meio de dias de campo, os benefícios sociais, ambientais e econômicos da rotação de culturas, com pastagens e plantio de espécies florestais. “A John Deere tem organizado uma série de eventos e encontros com os agricultores, o que permite a ampliação da transferência de tecnologia e conhecimento técnico-cientifico aos produtores rurais”, diz Alfredo Miguel Neto, diretor de Assuntos Corporativos América Latina da John Deere.