Artista do mês de dezembro – Weiwei

Ai Weiwei expõe sua obra na OCA Parque do Ibirapuera até o dia 20 de janeiro de 2019. Trata-se do renomado artista internacional, referência em arte contemporânea, arquitetura e cinema. Nascido na China, ele leva suas obras para o questionamento sobre a sociedade atual, as fronteiras e, como não poderia deixar de ser, ultrapassa os limites de sua cultura.


 

O espaço da Oca Parque do Ibirapuera está atualmente preenchido pela exposição de um dos artistas mais conceituados do planeta. Ai Weiwei faz arte com materiais simples e ideias complexas, questiona os valores da vida contemporânea e deixa para os olhos uma espécie de poesia visual que, enquanto a uns encanta, a outros incomoda.

Nascido em Pequim, no ano de 1957, Ai Weiwei já chegou ao mundo cercado pelo universo artístico. Isso porque seu pai, Ai Qing, também artista e poeta, já fazia sucesso na China e no mundo, mas também representava polêmica.

Sendo assim, com apenas um ano de idade, Ai Weiwei conheceu o que era se desprender das raízes, ao seguir seu pai, exilado em campo de trabalho – centro de detenção onde os internos são forçados a realizar trabalho como punição.

Apenas aos 17 anos, ele volta para a capital chinesa, onde começaria os estudos de animação na Beijing Film Academy. Porém, suas raízes já estavam soltas.

Ai Weiwei em Nova York

 

AI WEIWEI RAIZ, Credits: Carol Quintanilha

Pouco depois de seu retorno a Pequim, Ai Weiwei decide ganhar o mundo e vai para Nova York aprofundar-se em arte e design. Ele passa a dedicar seu tempo a desenhar retratos de rua e, ao mesmo tempo, consegue alguns bicos que o mantém.

Nessa época em que vagava pelas ruas da Big AppleAi Weiwei descobre também o prazer da fotografia. Tudo que parecia interessante era registrado em imagens que posteriormente virariam um álbum. Essas fotos resultaram numa coleção que hoje é conhecida como o álbum New York photographs.

De volta para a China

No ano de 1993, Ai Weiwei decide voltar para a China. Lá ele colabora com uma série de artistas experimentais e participa da publicação de três livros voltados para o universo da arte.

Ai começa a parecer mais polêmico quando funda o estúdio de arquitetura Fake Design, e é cocurador da exposição de arte Fuck Off, junto com Feng Boyi. Ainda assim, até aí, não sofre grandes repressões.

Um artista que questiona

Em 2005, Ai Weiwei é convidado a criar um blog na maior plataforma da internet da China e por quatro anos passa a publicar reflexões artísticas, visões sobre arquitetura e algo que incomoda um pouco mais o governo chinês: críticas sociais e a política vigente. Isso faz com que seu blog seja colocado fora do ar, mas o torna extremamente popular, incentivo para continuar a se manifestar, dessa vez por outras redes, como o Twitter.

Ao mesmo tempo que questiona, ele assessora artisticamente projetos de grande porte, como o projeto arquitetônico do estádio nacional Ninho de Pássaro, construído para os jogos olímpicos de Pequim. Uma de suas obras mais famosas.

Em 2008 ocorre o terremoto de Sichuan. Ai Weiwei critica a falta de transparência do governo chinês com relação aos nomes e números de mortos divulgados. Ele cria uma equipe para pesquisar e registrar as condições pós-terremoto. E compila mais de 5 mil nomes e informações das vítimas no projeto “Investigação dos cidadãos”. Mais um blog que seria bloqueado pelas autoridades chinesas.

Em 2010, Ai Weiwei é preso pela primeira vez, em prisão domiciliar. Para ele, a prisão serviria para impedi-lo de realizar a confraternização planejada para denunciar a demolição de seu estúdio em Shanghai, que, recém-construído, era questionado pelas autoridades por não ter a permissão necessária. Acusação esta que ele contesta.

No ano de 2011, um pouco antes de pegar um voo para Hong Kong, o artista é interceptado sob a alegação de que seus procedimentos de partida estavam incompletos.

Na ocasião, seu estúdio em Pequim é revistado por mais de 40 policiais, inúmeros itens são confiscados e seus funcionários interrogados. Dessa vez, o artista passa três meses preso em local secreto e suas punições são bem mais severas.

Tudo isso, ao invés de pará-lo, deu ao artista ainda mais argumentos para as questões que ele coloca em sua arte.

Conversamos com Marcello Dantas, curador da exposição de Ai Weiwei na Oca Ibirapuera. Para ele, Ai Weiwei não é necessariamente um artista crítico: “Acho que ele levanta bandeiras fundamentais, mas se você não estiver interessado nisso vai encontrar um escultor superinteligente que desafia a construção arquitetônica, o sistema de blocos e o pensamento articulador”.

Um artista sem fronteiras

Somente em 2015, Ai Weiwei tem devolvido seu passaporte e pode voltar a viajar para o exterior. Ele não perde tempo.

Em 2017, lança o aclamado documentário Human Flow (Fluxo Humano), filmado em 23 países, sobre refugiados, seus dramas e esperanças.

“Ele entende o mundo de forma universal e não nacional. Aceita as questões da humanidade e não apenas os problemas regionais”, reforça Dantas.

Ai Weiwei no Brasil

São Paulo tem a oportunidade de conhecer esse artista e sua obra até dia 20 de janeiro na Oca Ibirapuera.

Para Marcello Dantas, curador da exposição Raiz, é a ocasião de encontrar um artista singular: “É um dos poucos artistas na história que pode ser considerado relevante nos campos Artes Plásticas, Cinema e Arquitetura”.

Para além de ser uma pessoa única, Ai Weiwei conserva traços que o fazem próximo de todos, inclusive do nosso povo. “Ai Weiwei também tem muito humor e irreverência assim como o brasileiro, nisso há forte identificação”, entrega Dantas.

Mais de 70 mil pessoas já estiveram na atual exposição. Ai Weiwei ficou por três semanas no Brasil e participou de inúmeros encontros com o público. “Ele é um bicho selvagem, mas pode ser de imensa doçura”, descreve Dantas, que completa: “Ele funciona muito bem na esfera pública, mas tem uma fala mansa e para dentro. Isso surpreende as pessoas que esperavam um performer”.

Segundo o curador, a descoberta do jeito de pensar de Ai Weiwei ganha a simpatia do público. “Ver as pessoas simples falarem que a ‘exposição do China ali no parque é que é a boa’ me encanta”, relata.

No espaço, estão expostas algumas de suas grandes obras como SunFlower Seeds e Straight, duas obras seminais. Na exposição, as raízes também provocam grande impacto pela dimensão, ideia e posicionamento. “A Oca é um espaço brilhante por permitir uma revisita à obra por vários ângulos”, explica Dantas.

Quanto ao nome da exposição, Raiz, a explicação pode ser tanto simples quanto complexa. “É uma exposição sobre Raízes, literalmente e metaforicamente”, esclarece Dantas, porém, ele conta uma curiosidade interessante: “Também se chama Raiz por que o sobrenome de Weiwei é Ai e isso são as vogais de raiz”.

Dantas aprofunda sobre as metáforas que podem ser recolhidas dessas obras: “As raízes se comunicam de alguma forma por debaixo da terra e nossa principal missão, hoje, é desenterrar raízes para nos lembrarmos de quem somos e de onde viemos, assim podemos repensar o futuro”.

Entretanto, falar de raízes implica também abordar a cultura, as experiências transculturais e as fronteiras. “Como usar a arte para permitir que as pessoas vejam o mundo além dos seus times de futebol, partidos políticos e hinos patrióticos. Precisamos pensar de outra forma”, convida Dantas.

A exposição Raiz, de Ai Weiwei, fica em cartaz na Oca Parque do Ibirapuera até dia 20 de janeiro de 2019. Seus horários são de terça a sábado das 11h às 20h. Aos domingos e feriados, fecha 1 hora mais cedo, às 19h.

Então, compartilhe nas suas redes sociais a história desse artista!

fonte:https://archtrends.com/blog/ai-weiwei/

 

DIA MUNDIAL DA ÁGUA – 22 DE MARÇO

Dia Mundial da Água é comemorado anualmente em 22 de março.

Esta data foi criada com o objetivo de alertar a população internacional sobre a importância da preservação da água para a sobrevivência de todos os ecossistemas do planeta.

Para isso, todos os anos o Dia Mundial da Água aborda um tema específico sobre este mineral de extrema e absoluta importância para a existência da vida.

A conscientização sobre a urgência da economia deste recurso natural é uma das principais metas desse dia.

A água limpa e potável é um direito humano garantido por lei desde 2010, de acordo com a Organização das Nações Unidas – ONU.

 

Origem do Dia Mundial da Água

O Dia Mundial da Água foi instituído pela Organização das Nações Unidas – ONU, através da resolução A/RES/47/193 de 21 de fevereiro de 1993, determinando que o dia 22 de março seria a data oficial para comemorar e realizar atividades de reflexão sobre o significado da água para a vida na Terra.

Neste mesmo dia, a ONU lançou a Declaração Universal dos Direitos da Água, que apresenta entre as principais normas:

  1. A água faz parte do patrimônio do planeta;
  2. A água é a seiva do nosso planeta;
  3. Os recursos naturais de transformação da água em água potável são lentos, frágeis e muito limitados;
  4. O equilíbrio e o futuro de nosso planeta dependem da preservação da água e de seus ciclos;
  5. A água não é somente herança de nossos predecessores; ela é, sobretudo, um empréstimo aos nossos sucessores;
  6. A água não é uma doação gratuita da natureza; ela tem um valor econômico: precisa-se saber que ela é, algumas vezes, rara e dispendiosa e que pode muito bem escassear em qualquer região do mundo;
  7. A água não deve ser desperdiçada nem poluída, nem envenenada;
  8. A utilização da água implica respeito à lei;
  9. A gestão da água impõe um equilíbrio entre os imperativos de sua proteção e as necessidades de ordem econômica, sanitária e social;
  10. O planejamento da gestão da água deve levar em conta a solidariedade e o consenso em razão de sua distribuição desigual sobre a Terra.

Atividades para o Dia Mundial da Água

Alunos, pais e professores podem aproveitar o Dia da Água para promover diversas atividades que auxiliem a conscientizar a população em geral sobre a importância da preservação da água, por exemplo:

  • Fazer uma peça de teatro sobre como seria a vida sem água;
  • Fazer desenhos sobre como as pessoas deveriam preservar melhor a água;
  • Fazer um vídeo mostrando alguns cuidados básicos que toda pessoa pode ter para ajudar a preservar a água;
  • Fazer um debate sobre as consequências da falta de água potável no mundo.

Frases para o Dia Mundial da Água

  • A água é fonte de vida para todos os seres.
  • A água é tudo para a vida.
  • Sem água não há vida.
  • Nós somos todos feitos de água.

Vídeo sobre a Água

Neste vídeo do Dia Mundial da Água você vai ver que o planeta Terra é constituído aproximadamente de 70% de água, no entanto, apenas 0,7% de toda essa água é potável, ou seja, adequada para o consumo humano:

 

TRABALHO PROPOSTO PELA GRUPO DE ALUNOS – REAJA

  • Cartaz informativo;
  • vídeos durante o recreio;
  • Quadros espalhados no colégio;
  • Mural com informações e curiosidades;

 

O Planeta Água agradece!

 

Como fazer um fundo para reutilizar um banner

Sem ideia para fazer um fundo criativo com a cara dos pequenos?

Então que tal chamar os pequenos artistas para ajudar. Os pequenos da E.I (4 anos) colocaram a mão na tinta e saíram carimbando o fundo do painel. A orientação para obter as cores de forma “limpa”, sem virar aquele borrão de cor cinza. Foi não esfregar as mãos na tinta, apenas apertar! Use o lado cinza se não tiver muitos trabalhos para colocar.

Confira o resultado:

Para fazer no dia do índio – 19 de Abril

O dia do índio, celebrado no Brasil em 19 de abril, foi criado pelo presidente Getúlio Vargas, através do decreto-lei 5540 de 1943, A data de 19 de abril foi proposta em 1940, pelas lideranças indígenas do continente que participaram do Congresso Indigenista Interamericano, realizado no México.

Vamos começar conscientizando sobre nossas origens e a cultura indígena:

  • Vídeo educativo e informativo nota: 10 ;
  • Fazer levantamentos, sobre o conteúdo do vídeo;
  • Educador assistir antes de passar aos alunos (planejamento…sempre!  Assim você direciona os temas abordados, aqueles que você acredita ser necessário acontecer reflexões), pois irão haver muitas perguntas e questionamentos.
  • Pausar  durante o vídeo e fazer a intervenção na hora é a melhor forma de abordagem e aprendizagem, justifica o campo da neurociência!

 

Roda de conversa:

  • O que vocês acharam?
  • A vida do índio é bem parecida com a nossa na cidade?
  • O índio hoje, tem seus direitos reconhecidos, como terra e comida ?

     Mais um vídeo para passar depois do roda de conversa!

 

Fazer artístico

Vamos começar dançando,  fazendo um roda e contemplando a natureza como os índios fazem (usar espaços como pátio ou quadra).   Acredito que  passar um pequeno vídeo deles fazendo suas danças e celebrações enriquece o processo criativo.

Pintura de rosto com tintas naturais ou tintas de rosto.

Confeccionar: cocar e chocalho (uma aula antes).

Criar uma narrativa teatral….  trabalhar o imaginário. Vamos designar  uma função na tribo para cada criança e grupo.

O pajé é o sacerdote da tribo, pois conhece todos os rituais e recebe as mensagens dos deuses. Ele também é o curandeiro, pois conhece todos os chás e ervas para curar doenças. Ele que faz o ritual da pajelança, onde evoca os deuses da floresta e dos ancestrais para ajudar na cura. O cacique, também importante na vida tribal, faz o papel de chefe, pois organiza e orienta os índios. Os caçadores, que trazem o alimento das florestas, as mulheres que fazem o plantio e utensílios, e os  curumins que são as crianças da tribo.

Deixem que criem seus roteiros, aprendam a desenvolver trabalhos coletivos de forma cooperativa, assim como os índios.

Arte Naif

Arte naïf. O termo naif – ingênuo – presume a existência, por contraste, de uma forma de arte acadêmica, “não-ingênua”, “consciente”, de executar uma obra artística que os artistas desta corrente não seguem.

Arte Naïf começou a afirmar-se como uma corrente que aborda os contextos artísticos de modo espontâneo e com plena liberdade estética e de expressão e os seus seguidores definem-na hoje como “a arte livre de convenções”.

Objetivo

  • Compreender o conceito de Arte Naif
  • Trabalhar a socialização através da criação de uma obra coletiva
  • estimular a criatividade do grupo

Material

  • papelão (suporte)
  • diversas tintas
  • retalhos de tecidos
  • papéis usados de presente
  • jornal
  • furador \ pincéis

Processo

Conversa, vídeo educativo, criação artística (coletiva\ individual) , apresentação e fechamento com exposição exposição.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Linguine – Cores e texturas

Os pequeninos da Educação Infantil – Maternal I, construíram juntos essa bela composição artística, batizada de LINGUINE, nome escolhido por todos, após uma pequena eleição!  Muitas cores, muitas possibilidades e pura emoção.

O objetivo dessa proposta era sentir as cores,  vivenciar o trabalho em equipe, estimulando os pequenos artistas a dividir o espaço simultaneamente, apresentar as diversas possibilidades de cores através das misturas e aperfeiçoar a coordenação motora ao picar os jornais, que nesse caso desenvolviam a função de pincéis na pintura da obra.

Vamos começar acalmando a turma, uns minutinhos de relaxamento direcionado (falas que trazem tranquilidade e calma), sons da natureza, sons futuristas instrumentais. Vamos fazer em um ambiente externo, de preferencia próximo a área verde da escola. Caso não haja esse espaço, crie com sua imaginação e sons.

O diálogo para direcionar as etapas é essencial, deixar claro todo processo antes de iniciar e durante fazer algumas intervenções explicativas, ajudam as crianças a desenvolverem autonomia e compreensão lógica  do que estamos tento “realizar”, nada de fazer por eles, ou limitá-los, o foco é o sentir, para isso a liberdade de expressão é o nosso ponto de partida, mas com muita personalidade e carisma a educadora, poderá direcionar o entendimento, questionando:

Os papéis que picamos chamam-se jornal ! Olha a textura do papel? É fina? É fácil de picar?  O papel picado servirá para o quê? Você gosta de mexer com tinta? Goste de pegar a tinta com as mãos? Gosta de misturar a tinta? Vamos pintar com calma e sabedoria? Todos juntos ao mesmo tempo! Vamos respeitar uns aos outros e lembrarmos que essa obra é de todos! 

Confira:

 

Reaproveitando uma tela doada, jornais velhos e muita criatividade!

No final após a obra seca (outro dia), vimos no livro: The Illustrated Story of Art, pinturas abstratas. E falamos de cores e movimento.

Vamos agora nos transformar em azul….

 

 

 

 

Esculturas de cano de PVC- Construção Coletiva

Escultura
substantivo feminino
  1. 1.
    art.plást arte que se expressa pela criação de formas plásticas em volumes ou relevos, seja pela modelagem de substâncias maleáveis e/ou moldáveis, seja pelo desbaste de sólidos (como na torêutica e na glíptica), seja pela reunião de materiais e/ou objetos diversos.
  2. 2.
    art.plást a obra de arte que resulta do processo de esculpir.
    Partindo dessa definição, a aula buscou apresentar diferentes referências artísticas com intuito de a florar as ideias!  

    OBJETIVOS

    • Conscientizar os alunos sobre a importância de realizar ações em grupo de forma cooperativa/colaborativa;
    • Apresentar  diversos artistas cuja as obras são 3D;
    • Valorizar o uso de materiais recicláveis para compor obras;
    • Enriquecer o repertório artísticos dos alunos;

    MATERIAIS

    • Cano de PVC – diversos tamanhos e larguras
    • Serrinha
    • Cola de PVC e cola adesiva ex: Super Bonder
    • Suporte – pedaço de madeira
    • Spray – Diversas cores, ex: Colorgin /Montana
    • Lixa para cano de pvc

    PROPOSTA

    Fund II, a partir do 7º ano

    Apresentar uma linha cronológica do mundo das esculturas artísticas, ressaltar alguns nomes de artistas importantes na história a arte. Discutir com o grupo (alunos envolvidos) o valor estética, emocional, poético e o conceitual de algumas obras.

    Como educadores, sempre devemos, deixar que eles (alunos) falem seu ponto de vista por mais que, ao nosso ver, seja raso e imaturo, assim, podemos entender seu repertório (seu universo) artístico. O quanto ele se aprofunda em sua própria análise crítica. 

    Por fim, realizar uma exposição das obras feitas pelos alunos. Sempre crie um contrato didático, explicando o objetivo da atividade, ano e técnica usada.

    image7image5image4 (1)image1 (1)

    image3 (1)image2 (1)
    O FAZER
    A importância realmente está para o fazer, o resultado é consequência do envolvimento e entrosamento do grupo, afinal, é na construção que os alunos trocam experiências, expõem seus valores, aprendem a ouvir, a falar, a questionar de forma colaborativa, amadurecendo seu senso crítico e emocional.

A emoção também deve ser valorizada, em minhas aulas, eu valorizo atentamente a postura emocional de cada aluno. A arte, o fazer arte, é emoção, pura emoção e criatividade!

Nas escolas ainda trabalhamos de forma muito mais individualista. Nosso sistema educacional é sim, egoísta e egocêntrico. Mas a mudança só acontecerá se todos estiverem dispostos a aprender a escutar e agir com humildade. Os valores estão invertidos, desdá gestão educacional, passando pela administrativa indo até a sala de aula. Sendo que na verdade, o problema do egocentrismo é de parâmetro mundial. Mas como não sou pessimista (professora utópica) faço minha parte, e você?