Com ilustrações, livro propõe explicar veganismo para crianças

“Guia para Pequenos Veganos” é um livro infantil a ser lançado pela autora e ilustradora Bárbara De Baisi, cujo objetivo é apresentar às crianças o universo do veganismo de forma lúdica e didática.

guiaparapequenosveganos_01

Créditos: divulgação Guia para Pequenos Veganos
Ilustração do “Guia para Pequenos Veganos”

Mais do que uma dieta, o veganismo é uma filosofia que propõe o não consumo de qualquer produto – alimentício ou não- de origem animal, ou derivado.

guiaparapequenosveganos_03

Créditos: divulgação Guia para Pequenos Veganos
Ilustração do “Guia para Pequenos Veganos”

Estão nessa lista todas as carnes, ovos, manteiga ou qualquer produto que tenha esses ingredientes, roupas e acessórios de couro, assim como produtos testados em animais.

“Veganismo é sobre os direitos dos animais, acredito que também devemos pensar em todo o ambiente em que se encontram e como nós interferimos nele”, explica Bárbara, sobre a relação entre veganismo e sustentabilidade.

“Vendo postagens de crianças que não queriam mais comer animais, ou de mães que queriam ou tinham filhos que não comiam ingredientes de origem animal, percebi que não existe ainda no Brasil nenhum material que aborde o assunto de forma ampla. Nós conseguimos entender toda a questão de consumo e indústria, mas uma criança não. então pensei em como deve ser difícil para pais vegetarianos ensinarem seus filhos sobre o assunto”, explica Bárbara, que é vegana há dois anos, sobre a motivação para fazer o livro.

guiaparapequenosveganos_02

Créditos: divulgação Guia para Pequenos Veganos
Ilustração do “Guia para Pequenos Veganos”

O livro será publicado por meio de um financiamento coletivo, e a ideia é que não apenas o tema esteja conectado com a temática da sustentabilidade, mas também seja produzido de forma sustentável: será impresso em papel com certificado FSC, garantindo o uso responsável das florestas, e com tintas e vernizes a base de óleos vegetais e isentos de chumbo, petróleo e outros químicos nocivos ao meio ambiente.

Gostou? Apoie essa iniciativa e ajude a financiar o projeto:

fonte:https://catraquinha.catracalivre.com.br/geral/nutricao-2/indicacao/com-ilustracoes-livro-propoe-explicar-veganismo-para-criancas/

 


 

Meditação direcionada – Retorno após férias!

A meditação é uma das maiores artes da vida, talvez a maior de todas.  Mas não se pode de modo nenhum aprende-lá de alguém, e é aí que está a beleza dela. (J. Krishnamurti).

A meditação exige uma mente sobremodo vigilante; a meditação é a compreensão da totalidade da vida, na qual não existe mais nenhuma espécie de fragmentação. Meditação não é controle de pensamento, porque, quando o pensamento é controlado, gera conflito na mente; mas, quando se compreende a estrutura e origem do pensamento, então ele não mais interfere. Essa compreensão da estrutura do pensar é a sua própria disciplina, que é a meditação. (J. k)

Aula de meditação direcionada 

Proposta: O Cosmos

Turmas: A partir do 5 º ano, fundamental II e médio.

Objetivo: trabalhar mente, emoção, criatividade, auto-consciência .

Processo:

  • Organizar a turmas num espaço aconchegante, se possível com colchonetes.
  • Perguntar ao grupo: O que é cosmos? Mediar a interação do grupo.
  • Fazer um minuto de silêncio para estabelecer o foco e a energia.
  • Iniciar o processo de escuta, em silêncio colocar o áudio: O pálido ponto azul.
  • Primeiro sem imagens usar  só a imaginação. Deixar claro que este é um processo de meditação e criatividade. Prestar a atenção nas imagens que o inconsciente trás ao consciente.
  • Finalizado o processo de escuta, roda de conversa deixe que cada criança relate sua experiência, podendo ser registrado em um desenho/pintura coletiva.
  • Depois se possível, levá-los a uma sala para assistir o vídeo para finalizar.

 

Boa aula!

Para fazer no dia do índio – 19 de Abril

O dia do índio, celebrado no Brasil em 19 de abril, foi criado pelo presidente Getúlio Vargas, através do decreto-lei 5540 de 1943, A data de 19 de abril foi proposta em 1940, pelas lideranças indígenas do continente que participaram do Congresso Indigenista Interamericano, realizado no México.

Vamos começar conscientizando sobre nossas origens e a cultura indígena:

  • Vídeo educativo e informativo nota: 10 ;
  • Fazer levantamentos, sobre o conteúdo do vídeo;
  • Educador assistir antes de passar aos alunos (planejamento…sempre!  Assim você direciona os temas abordados, aqueles que você acredita ser necessário acontecer reflexões), pois irão haver muitas perguntas e questionamentos.
  • Pausar  durante o vídeo e fazer a intervenção na hora é a melhor forma de abordagem e aprendizagem, justifica o campo da neurociência!

 

Roda de conversa:

  • O que vocês acharam?
  • A vida do índio é bem parecida com a nossa na cidade?
  • O índio hoje, tem seus direitos reconhecidos, como terra e comida ?

     Mais um vídeo para passar depois do roda de conversa!

 

Fazer artístico

Vamos começar dançando,  fazendo um roda e contemplando a natureza como os índios fazem (usar espaços como pátio ou quadra).   Acredito que  passar um pequeno vídeo deles fazendo suas danças e celebrações enriquece o processo criativo.

Pintura de rosto com tintas naturais ou tintas de rosto.

Confeccionar: cocar e chocalho (uma aula antes).

Criar uma narrativa teatral….  trabalhar o imaginário. Vamos designar  uma função na tribo para cada criança e grupo.

O pajé é o sacerdote da tribo, pois conhece todos os rituais e recebe as mensagens dos deuses. Ele também é o curandeiro, pois conhece todos os chás e ervas para curar doenças. Ele que faz o ritual da pajelança, onde evoca os deuses da floresta e dos ancestrais para ajudar na cura. O cacique, também importante na vida tribal, faz o papel de chefe, pois organiza e orienta os índios. Os caçadores, que trazem o alimento das florestas, as mulheres que fazem o plantio e utensílios, e os  curumins que são as crianças da tribo.

Deixem que criem seus roteiros, aprendam a desenvolver trabalhos coletivos de forma cooperativa, assim como os índios.

Pintura geométrica – conhecendo as cores

Introduzir as cores, as texturas e as diversas possibilidades pelo caminho da liberdade de expressão é pura emoção. Sem claro, perder o foco no trabalho coletivo. Sentir a vibração da pintura, é muito mais que trocar experiencias… É proporcionar um resultado que vibra, carinho, amor, cooperatividade e  alegria. Uma tela deve conter essas propriedades terapêuticas… para curar um mundo doente, precisamos expressar compaixão!

Pintura livre – Cores e suas possibilidades  ( pequenos de 2 a 4 anos )

Aprendemos sobre como a cor chega na Terra, a importância do Sol, falamos até de ondas eletromagnéticas responsáveis pelas cores. Brincamos com as formas geométricas, inventando nome de objetos para cada forma.   Não subestime a capacidade de compreensão da crianças de 2 a 3 anos, eles são muito mais aptos à receber essas informações do que nós. Filhos da era tecnológica, confie no inconsciente coletivo, ele tá aí  fazendo seu papel. Agora educador,  faça sua parte!

O  que é cor?

Propriedade de uma radiação eletromagnética, com comprimento de onda pertencente ao espectro visível, capaz de produzir no olho uma sensação característica.

Material

  • uma tela grande – doação ou compensado de madeira
  • retalhos de papéis cortados de forma geométricas, pode ser: jornal, revista ou sobra (serão os pincéis).
  • uma folha de A2 (Branca).
  • tinta guache, diversas cores (principais cores primárias) com elas faremos as secundárias.
  • música: sons psicodélicos ou Mozart –  As 4 estações

Ação

Sentar as crianças em volta da tela no chão, primeiro faça com todos juntos o grande carimbão! Depois entregue um retalho de papel para cada um,  pedir para eles carimbarem os papéis  na tela…. antes brinque de carimbar no chão, invente um som, tipo: põe, põe, põe….

Confira:

22 de março – DIA DA ÁGUA

Diante da importância da água para a nossa sobrevivência e da necessidade urgente de manter esse recurso disponível, surgiu o Dia Mundial da Água. Essa data, comemorada no dia 22 de março, foi criada em 1992 pela Organização das Nações Unidas (ONU) e visa à ampliação da discussão sobre esse tema tão importante.

 

O Dia Mundial da Água foi criado pela Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas através da resolução A/RES/47/193 de 21 de Fevereiro de 1993, declarando todo o dia 22 de Março de cada ano como sendo o Dia Mundial das Águas (DMA), para ser observado a partir de 1993, de acordo com as recomendações da Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento contidas no capítulo 18 (Recursos hídricos) da Agenda 21.

Nesse período vários Estados foram convidados, como se fosse mais apropriado no contexto nacional, a realizar no Dia, atividades concretas que promovam a conscientização pública através de publicações e difusão de documentários e a organização de conferências, mesas redondas, seminários e exposições relacionadas à conservação e desenvolvimento dos recursos hídricos e/ou a implementação das recomendações proposta pela Agenda 21.

Objetivo

Conscientizar e estimular a criatividade dos pequenos

Atividade em sala 

Elaborar um grande painel coletivo para expor na escolaDurante o processo artístico, aproveite para falar sobre a importância da água. Passe vídeos educativos, faça os alunos refletirem sobre  a preservação da natureza, sem ela não há água.

Material:

  • caixas de papelão- montar um painel com elas;
  • tintas com diferentes tons de azul – usar branco e preto para forma novas nuances;
  • pincéis, rolinhos;
  • barbante ;
  • retalho de papéis.

Use sua criatividade e mão na massa!

Se não deu para fazer nesse ano, guarde a ideia para o ano que vem!

Vídeo educativo!

 

14 de março dia da Poesia e dos animais!

Nesse dia podemos fazer uns minutinhos de poesia… O tema é animais, afinal o dia é deles também.Juntem-se em um pequeno grupinho e escrevam um poema. Depois cada grupo recitará seu verso, para juntos criarmos um grande poema unindo toda a sala.

No final podemos fazer um grande desenho para ilustrar o poema.

  • Papelão – caixas diversas (base)
  • Giz pastel oleoso
  • Recortes de animais em revistas e jornais

O trabalho de conscientização e sensibilização já começa agora, nessa proposta a criatividade é a maior ferramenta !

Poesia é um gênero literário caracterizado pela composição em versos estruturados de forma harmoniosa. É uma manifestação de beleza e estética retratada pelo poeta em forma de palavras. No sentido figurado, poesia é tudo aquilo que comove, que sensibiliza e desperta sentimentos.

Para comemorar essa data tão querida, lá vai o meu poema:

A ave no céu

 

Uma ave que voa no céu sem rumo,

Vive em rumo à felicidade,

Sente a brisa da verdade,

E canta a canção da eternidade,

Na sintonia da vibração perfeita

Essa é a natureza.

Com suas enumeras facetas.

 

Encontro com o grupo docente do IEPA!

Um bate papo consciente sobre a trajetória das artes desde a pré-história com as pinturas rupestres até o conceito atual da arte contemporânea. 

O Sustentabiliarte vem prestando assessoria ao  centro de educação infantil IEPA -Pequeno Aprendiz com encontros, palestras e oficinas para os educadores sobre: ecopedagogia, cidadania planetária, educação ambiental  e as linguagens artísticas.  A escola acredita que uma proposta artística pautada pelo olhar ecológico, usando a arte consciente com seus pequenos aprendizes é um caminho coerente a se seguir!

http://iepequenoaprendiz.com.br/

Sustentabiliarte tem artigo publicado na Revista UniFreire

Tudo começa com Paulo Freire, falando sobre uma proposta de pedagogia da terra.  Essa sendo publicada pelas mãos de Moacir Gadotti – Pedagogia da Terra (Petrópolis, 2000) um grande conteúdo para a vida, para sanar a vida e integrar-se com a alma!

Com muito prestígio e eterna gratidão a UNI Freire, obrigada!

Por acreditar na ECOPEDAGOGIA como um dos caminhos mais coerentes para a formação educacional, intelectual,  social e emocional do indivíduo.  Afinal, não podemos continuar separando o intelectual do emocional, somos um ser completo a partir do momento que compreendemos que estes conceitos estão entrelaçados. Segregá-los é sim um grande desequilíbrio, a filosofia  considerada o intelectual  um degrau cognitivo superior a experiência sensível e intuitiva, um grande erro. Vemos isso na sociedade atual, totalmente medicamentosa, uma sociedade doente emocionalmente que a cada dia ganha novas categorias de síndromes psiquiátricas. Quem fatura como tudo isso? A indústria farmacêutica, que hoje em dia é uma das mais crescentes no planeta.

Hoje campos de estudos como a neurociência e o neurocientista Richard Davidson vem provando a cada nova descoberta as verdadeiras motivações do ser humano, o que de fato o faz feliz. Seus estudos são  compartilhados com a humanidade  em documentários e palestras mundo a fora.

Rumo à planetariedade, juntos podemos formar cidadãos planetários ! 

A Revista UniFreire é dedicada à publicação de artigos, que tenham como referência os princípios filosóficos, políticos e pedagógicos de Paulo Freire, resultantes de pesquisas, acadêmicas ou não, de reflexões sobre a prática e construção de conhecimentos sobre educação.

CAMINHOS PARA UMA ECOEDUCAÇÃO SUSTENTÁVEL  – Gabriela Maria Diaz

RESUMO

Uma pedagogia que promova a aprendizagem significativa, atribuindo sentido às ações cotidianas, visando à sustentabilidade como eixo principal. Conscientizar a criança sobre o seu papel (no planeta), evidenciando na proposta os problemas atuais e ajudá-la a compreender as questões étnicas, sociais, culturais, políticas, econômicas e ecológicas de uma forma natural, através de diversas atividades para o desenvolvimento autônomo e consciente da criança, a fim de que ela se torne, assim, um futuro cidadão planetário, ciente de que sua casa é o planeta Terra.

As contribuições recebidas são submetidas à avaliação de uma Comissão Editorial que analisa os artigos do ponto de vista da adequação dos mesmos ao perfil e à linha editorial da revista, da pertinência do tema e forma de abordagem do conteúdo. Conheça as normas técnicas para publicação clicando aqui.

O recebimento de artigos ocorre em fluxo contínuo, por meio do e-mail:secretaria@unifreire.org

http://www.paulofreire.org/comunidade-freiriana-revista-unifreire

ESCREVA O QUE TE MOTIVA PARA VER UM PLANETA SUSTENTÁVEL DE VERDADE!

Férias: programação dos museus para passear com bebês e criança

O Sustentabiliarte apoia o lazer nas férias!


Um dos desafios para mães e pais de bebês e crianças pequenas é escolher um passeio que, além de entreter os pequenos nas férias, ofereça estrutura de atendimento adequada, com trocadores de fraldas, acessibilidade e bancos para descanso e amamentação.

Confira seis museus que oferecem tanto atividades especiais para famílias quanto facilidades que garantem o conforto dos pequenos para aproveitarem as férias escolares.

Confira:

Museu Catavento

O Museu Catavento é um espaço educativo e interativo com atrações e atividades para pessoas de todas as idades. Bebês com seus pais podem participar e se divertir em espaços como a sala “Engenho”, o Borboletário e o jardim do local. Com acesso para carrinhos de bebês, o museu também oferece bancos para todos descansarem, trocadores para bebês nos banheiros masculinos e femininos e enfermeiro no local.

Ingresso: R$6 (inteira) e R$3 (meia). Aos sábados a entrada é gratuita Crianças até três anos não pagam

Funcionamento: terça a domingo, (fechado às segundas), das 9h às 17h (Bilheteria fecha às 16h)

Casa das Rosas

A Casa das Rosas, museu dedicado à poesia e à literatura, possui banheiro com trocador para bebês, cadeiras nas varandas, rampa de acesso e elevador. O carrinho de bebê, que pode ser guardado em uma sala reservada para esse fim. A entrada é gratuita.

Funcionamento: terça a sábado, (fechado às segundas) das 10h às 22h | domingos e feriados, das 10h às 18h.

Pinacoteca de São Paulo

A Pinacoteca de São Paulo possui o projeto “PinaFamília”, realizado sempre no segundo domingo do mês.  O objetivo é estimular a visita de famílias ao museu e estimular a apreciação artística com atividades e visitas guiadas. A Pinacoteca conta com bancos distribuídos por todo o museu, trocadores para bebês nos banheiros masculinos e femininos, acesso para carrinho de bebê e elevadores.

Crianças até 9 anos não pagam. R$ 6 | Grátis aos sábados

O PinaFamília propõe um dia de atividades lúdicas para incluir toda a família e interagir com o museu de um jeito diferente.

Museu da Casa Brasileira

Com bancos espalhados por todo jardim, onde é possível sentar para descansar e também amamentar, o Museu da Casa Brasileira oferece acesso para carrinho de bebê e uma programação de oficinas educativas voltadas para crianças e sua família, como o “Encontros no quintal”, que acontece quinzenalmente no jardim do MCB para troca de ideias, experiências e realizações de atividades; a oficina de “Casinha”, que também acontece quinzenalmente, sempre às quartas-feiras, onde os participantes são convidados a construir modelos de casa com materiais não estruturados, a partir de suas lembranças e memórias.   O espaço também possui trocadores para bebês nos banheiros masculinos e femininos.

Crianças até 10 anos não pagam. R$ 7 | Grátis aos sábados, domingos e feriados

Funcionamento: terça a domingo, (fechado às segundas) das 10h00 às 18h00

Museu da Imagem e do Som (MIS-SP)

No último domingo do mês, o MIS-SP realiza a Maratona Infantil, um dia repleto de atividades voltadas para crianças e suas famílias. Os visitantes podem aproveitar inúmeras atrações, tais como oficinas, espetáculos, contação de histórias e shows. O espaço possui trocadores para bebês nos banheiros masculinos e femininos, elevador para acesso com carrinho de bebê e banco para descanso.

Ingresso: gratuito às terças-feiras; consulte valores nos outros dias, que variam de acordo com a exposição. Crianças até cinco anos não pagam.

Funcionamento: terça a sexta, (fechado às segundas) das 12h às 21h | sábados, domingos e feriados, das 11h às 20h.

Museu Afro Brasil

Com trocadores de fralda nos banheiros femininos e masculinos, o Museu Afro Brasil oferece, no último sábado do mês, a contação de histórias “Aos Pés do Baobá”, onde crianças acompanhadas de seus pais podem conhecer narrativas africanas ou afro-brasileiras, seguida de bate-papo com os educadores do museu.

Ingresso: R$6 (inteira) e R$3 (meia). Aos sábados a entrada é gratuita. Crianças até 10 anos não pagam.

Funcionamento: terça a domingo, (fechado às segundas), das 10h00 às 17h (Bilheteria fecha às 18h)

Museu do Futebol

O Museu do Futebol possui acessibilidade em todos os espaços. Com rampas de acesso, elevadores e escadas rolantes, é possível entrar com o carrinho de bebê nas salas do Museu. O espaço também possui trocadores de fraldas nos banheiros femininos e no banheiro unissex, permitindo um passeio mais confortável e divertido com o papai ou com a mamãe.

Ingresso: R$9 (inteira) e R$4,50 (meia). Grátis aos sábados

Funcionamento: terça a sexta-feira, das 9h às 17h (Bilheteria até às 16h). Sábados, domingos e feriados das 10h às 18h (bilheteria até às 17h)

Confira os endereços e horários em:

Fonte:https://catraquinha.catracalivre.com.br/sp/agenda/gratis/ferias-programacao-dos-museus-para-passear-com-bebes-e-criancas/

10 dicas para curtir as férias com menos telas e mais natureza

O mês das férias chegou e é hora de aproveitar o tempo livre. Para inspirar momentos em família mais conectados coma natureza – e menos conectados com as telas – Ana Carolina Thomé, pedagoga, especialista em psicomotricidade e educação lúdica e Rita Mendonça, bióloga e socióloga,especialista em vivências e palestras para aproximar crianças e adultos da natureza, prepararam algumas dicas simples e que trazem muitas oportunidades para novas descobertas e brincadeiras.

E o Sustentabiliarte sabe que a natureza é o caminho….

1. Adulto, relembre da sua infância.

Temos certeza que muitos leitores tiveram experiências inesquecíveis em contato com a natureza. Por que não reviver estes momentos? Conte essas histórias para as crianças e façam estas brincadeiras acontecerem novamente.

10_dicas_para_curtir_as_ferias_com_menos_telas_e_mais_natureza__4

2. Vá a pé e faça novos caminhos
O caminho em si pode ser uma brincadeira. Saia sem pressa, faça novos trajetos para um mesmo destino. Descubram o que passa despercebido na nossa rotina. Observe a natureza se expressando espontaneamente nas frestas da calçada, nos muros e por toda parte, na cidade.

3. Adote a regra do dia ensolarado
As férias de inverno muitas vezes tem como empecilho para estar ao ar livre as temperaturas baixas, o vento, a garoa. Nossa sugestão é que façam um combinado com as crianças: o dia está ensolarado? Todos pra fora!

10_dicas_para_curtir_as_ferias_com_menos_telas_e_mais_natureza__5

4. Roupa certa
Seguimos o ensinamento que aprendemos nas escolas da floresta e já contamos por aqui: não existe tempo ruim mas sim roupa certa. Se está frio, vistam-se adequadamente para estar do lado de fora. Viver experiências em temperaturas diferentes é uma aventura única.

5. Sujeira
Pesquisas afirmam que se sujar de natureza faz parte da interação e é importante pra nossa saúde. É melhor gastar tempo e dedicação para lavar as roupas sujas do que com cuidados com doenças.

A "Vitamina S" é muito importante para o desenvolvimento na infância.

6. descubra novos parques e espaços pela cidade
Você conhece quantos parques tem a sua cidade? Muitas vezes acabamos visitando sempre os mesmos. Aproveite as férias para explorar novos espaços com tempo e disponibilidade.

7. Tempo e Disponibilidade
Quando estiverem com as crianças aproveitem pra aprender com elas. Não tenha pressa e deixe-as conduzir o passeio. Esteja aberto e disponível para ver, ouvir e sentir o que as crianças tem a mostrar.

10_dicas_para_curtir_as_ferias_com_menos_telas_e_mais_natureza__1

8. Desconecte-se
Use estes momentos para conectar -se com a natureza, com o mundo e com as crianças e desconecte-se dos smartphones, tablets.

10_dicas_para_curtir_as_ferias_com_menos_telas_e_mais_natureza__3

9. Memórias
Viva estes momentos e preocupe-se mais em registrá-los com a memória que com fotografias. Claro, fotografe estes momentos, mas preste atenção para não exagerar. As memórias são feitas com todos os sentidos e não apenas com a visão. Preste atenção em cheiros, sons, texturas e temperaturas.

10. Crie um diário
Criar um diário de férias junto com as crianças pode ser uma experiência para registrar estes passeios não apenas com o nosso olhar, mas com o deles. Anote as brincadeiras que mais gostaram, com quem estiveram, como estava o céu, o que encontraram, sensações que tiveram.

fonte: https://catraquinha.catracalivre.com.br/geral/familia/indicacao/curtir-as-ferias-com-menos-telas-e-mais-natureza/