Férias: programação dos museus para passear com bebês e criança

O Sustentabiliarte apoia o lazer nas férias!


Um dos desafios para mães e pais de bebês e crianças pequenas é escolher um passeio que, além de entreter os pequenos nas férias, ofereça estrutura de atendimento adequada, com trocadores de fraldas, acessibilidade e bancos para descanso e amamentação.

Confira seis museus que oferecem tanto atividades especiais para famílias quanto facilidades que garantem o conforto dos pequenos para aproveitarem as férias escolares.

Confira:

Museu Catavento

O Museu Catavento é um espaço educativo e interativo com atrações e atividades para pessoas de todas as idades. Bebês com seus pais podem participar e se divertir em espaços como a sala “Engenho”, o Borboletário e o jardim do local. Com acesso para carrinhos de bebês, o museu também oferece bancos para todos descansarem, trocadores para bebês nos banheiros masculinos e femininos e enfermeiro no local.

Ingresso: R$6 (inteira) e R$3 (meia). Aos sábados a entrada é gratuita Crianças até três anos não pagam

Funcionamento: terça a domingo, (fechado às segundas), das 9h às 17h (Bilheteria fecha às 16h)

Casa das Rosas

A Casa das Rosas, museu dedicado à poesia e à literatura, possui banheiro com trocador para bebês, cadeiras nas varandas, rampa de acesso e elevador. O carrinho de bebê, que pode ser guardado em uma sala reservada para esse fim. A entrada é gratuita.

Funcionamento: terça a sábado, (fechado às segundas) das 10h às 22h | domingos e feriados, das 10h às 18h.

Pinacoteca de São Paulo

A Pinacoteca de São Paulo possui o projeto “PinaFamília”, realizado sempre no segundo domingo do mês.  O objetivo é estimular a visita de famílias ao museu e estimular a apreciação artística com atividades e visitas guiadas. A Pinacoteca conta com bancos distribuídos por todo o museu, trocadores para bebês nos banheiros masculinos e femininos, acesso para carrinho de bebê e elevadores.

Crianças até 9 anos não pagam. R$ 6 | Grátis aos sábados

O PinaFamília propõe um dia de atividades lúdicas para incluir toda a família e interagir com o museu de um jeito diferente.

Museu da Casa Brasileira

Com bancos espalhados por todo jardim, onde é possível sentar para descansar e também amamentar, o Museu da Casa Brasileira oferece acesso para carrinho de bebê e uma programação de oficinas educativas voltadas para crianças e sua família, como o “Encontros no quintal”, que acontece quinzenalmente no jardim do MCB para troca de ideias, experiências e realizações de atividades; a oficina de “Casinha”, que também acontece quinzenalmente, sempre às quartas-feiras, onde os participantes são convidados a construir modelos de casa com materiais não estruturados, a partir de suas lembranças e memórias.   O espaço também possui trocadores para bebês nos banheiros masculinos e femininos.

Crianças até 10 anos não pagam. R$ 7 | Grátis aos sábados, domingos e feriados

Funcionamento: terça a domingo, (fechado às segundas) das 10h00 às 18h00

Museu da Imagem e do Som (MIS-SP)

No último domingo do mês, o MIS-SP realiza a Maratona Infantil, um dia repleto de atividades voltadas para crianças e suas famílias. Os visitantes podem aproveitar inúmeras atrações, tais como oficinas, espetáculos, contação de histórias e shows. O espaço possui trocadores para bebês nos banheiros masculinos e femininos, elevador para acesso com carrinho de bebê e banco para descanso.

Ingresso: gratuito às terças-feiras; consulte valores nos outros dias, que variam de acordo com a exposição. Crianças até cinco anos não pagam.

Funcionamento: terça a sexta, (fechado às segundas) das 12h às 21h | sábados, domingos e feriados, das 11h às 20h.

Museu Afro Brasil

Com trocadores de fralda nos banheiros femininos e masculinos, o Museu Afro Brasil oferece, no último sábado do mês, a contação de histórias “Aos Pés do Baobá”, onde crianças acompanhadas de seus pais podem conhecer narrativas africanas ou afro-brasileiras, seguida de bate-papo com os educadores do museu.

Ingresso: R$6 (inteira) e R$3 (meia). Aos sábados a entrada é gratuita. Crianças até 10 anos não pagam.

Funcionamento: terça a domingo, (fechado às segundas), das 10h00 às 17h (Bilheteria fecha às 18h)

Museu do Futebol

O Museu do Futebol possui acessibilidade em todos os espaços. Com rampas de acesso, elevadores e escadas rolantes, é possível entrar com o carrinho de bebê nas salas do Museu. O espaço também possui trocadores de fraldas nos banheiros femininos e no banheiro unissex, permitindo um passeio mais confortável e divertido com o papai ou com a mamãe.

Ingresso: R$9 (inteira) e R$4,50 (meia). Grátis aos sábados

Funcionamento: terça a sexta-feira, das 9h às 17h (Bilheteria até às 16h). Sábados, domingos e feriados das 10h às 18h (bilheteria até às 17h)

Confira os endereços e horários em:

Fonte:https://catraquinha.catracalivre.com.br/sp/agenda/gratis/ferias-programacao-dos-museus-para-passear-com-bebes-e-criancas/

10 dicas para curtir as férias com menos telas e mais natureza

O mês das férias chegou e é hora de aproveitar o tempo livre. Para inspirar momentos em família mais conectados coma natureza – e menos conectados com as telas – Ana Carolina Thomé, pedagoga, especialista em psicomotricidade e educação lúdica e Rita Mendonça, bióloga e socióloga,especialista em vivências e palestras para aproximar crianças e adultos da natureza, prepararam algumas dicas simples e que trazem muitas oportunidades para novas descobertas e brincadeiras.

E o Sustentabiliarte sabe que a natureza é o caminho….

1. Adulto, relembre da sua infância.

Temos certeza que muitos leitores tiveram experiências inesquecíveis em contato com a natureza. Por que não reviver estes momentos? Conte essas histórias para as crianças e façam estas brincadeiras acontecerem novamente.

10_dicas_para_curtir_as_ferias_com_menos_telas_e_mais_natureza__4

2. Vá a pé e faça novos caminhos
O caminho em si pode ser uma brincadeira. Saia sem pressa, faça novos trajetos para um mesmo destino. Descubram o que passa despercebido na nossa rotina. Observe a natureza se expressando espontaneamente nas frestas da calçada, nos muros e por toda parte, na cidade.

3. Adote a regra do dia ensolarado
As férias de inverno muitas vezes tem como empecilho para estar ao ar livre as temperaturas baixas, o vento, a garoa. Nossa sugestão é que façam um combinado com as crianças: o dia está ensolarado? Todos pra fora!

10_dicas_para_curtir_as_ferias_com_menos_telas_e_mais_natureza__5

4. Roupa certa
Seguimos o ensinamento que aprendemos nas escolas da floresta e já contamos por aqui: não existe tempo ruim mas sim roupa certa. Se está frio, vistam-se adequadamente para estar do lado de fora. Viver experiências em temperaturas diferentes é uma aventura única.

5. Sujeira
Pesquisas afirmam que se sujar de natureza faz parte da interação e é importante pra nossa saúde. É melhor gastar tempo e dedicação para lavar as roupas sujas do que com cuidados com doenças.

A "Vitamina S" é muito importante para o desenvolvimento na infância.

6. descubra novos parques e espaços pela cidade
Você conhece quantos parques tem a sua cidade? Muitas vezes acabamos visitando sempre os mesmos. Aproveite as férias para explorar novos espaços com tempo e disponibilidade.

7. Tempo e Disponibilidade
Quando estiverem com as crianças aproveitem pra aprender com elas. Não tenha pressa e deixe-as conduzir o passeio. Esteja aberto e disponível para ver, ouvir e sentir o que as crianças tem a mostrar.

10_dicas_para_curtir_as_ferias_com_menos_telas_e_mais_natureza__1

8. Desconecte-se
Use estes momentos para conectar -se com a natureza, com o mundo e com as crianças e desconecte-se dos smartphones, tablets.

10_dicas_para_curtir_as_ferias_com_menos_telas_e_mais_natureza__3

9. Memórias
Viva estes momentos e preocupe-se mais em registrá-los com a memória que com fotografias. Claro, fotografe estes momentos, mas preste atenção para não exagerar. As memórias são feitas com todos os sentidos e não apenas com a visão. Preste atenção em cheiros, sons, texturas e temperaturas.

10. Crie um diário
Criar um diário de férias junto com as crianças pode ser uma experiência para registrar estes passeios não apenas com o nosso olhar, mas com o deles. Anote as brincadeiras que mais gostaram, com quem estiveram, como estava o céu, o que encontraram, sensações que tiveram.

fonte: https://catraquinha.catracalivre.com.br/geral/familia/indicacao/curtir-as-ferias-com-menos-telas-e-mais-natureza/

Contação de história interativa com o livro: Bugigangas

Este livro mostra às crianças o sentido quantitativo dos números e o tema da reciclagem. Através de ilustrações feitas com objetos velhos presentes em nosso dia-a-dia, as crianças aprendem a relacionar números e quantidades. Além de ser uma oportunidade de conscientizar as crianças sobre o papel importante da reciclagem nos tempos atuais.

Por que não trazer para o concreto as ilustrações do livro e propor  as crianças um desafio?

Foi isso que eu fiz …

Para enriquecer ainda mais o contexto lúdico, pedi as crianças para buscarem em uma mesa os objetos que estavam nas ilustrações. Montei uma mesa com todos os objetos citados pelo livro. Durante a leitura elas (crianças) apanhavam o objeto para que no final montássemos juntos um lindo painel, confira o resultado! (fotos).

Se nós educadores valorizarmos o potencial estético apresentado pelas sucatas  (lixo reciclável) na construção de composições escolares, podemos alcançar resultados importantes na formação social, intelectual e moral de nossos alunos, pois estaremos trabalhando e praticando a sustentabilidade.

bugigangas

bugi 1

bugi2

SEMANA MUNDIAL DO BRINCAR

Esta semana é muito importante para a Aliança pela Infância, pois é uma mobilização que reúne diferentes atores, como pais, educadores, médicos, comunicadores, instituições privadas, representantes de instituições governamentais, entre outros. Juntos, realizamos um conjunto de ações com o imageobjetivo de ressaltar a importância do Brincar na sociedade.

O foco é lembrar os adultos sobre a necessidade de preservação e o respeito do tempo das crianças brincarem. Cada vez mais vemos famílias que, por não poderem ter um tempo de qualidade com seus filhos, compram vídeos, jogos eletrônicos entre outras coisas e passam menos tempo ao lado deles.

Chamamos de tempo de qualidade aquele que os adultos passam com as crianças, quando eles estão presentes com atenção e com amorosidade. Trata-se da presença atenta à intermediação, quando necessária, quando solicitada. Nada mais.

Neste contexto, ressaltamos também os cuidados que os adultos precisam ter com os excessos de zelo, interferindo constantemente nas brincadeiras das crianças, sem respeitá-las. Cada brincadeira tem um momento e cada criança tem um tempo interno que a conecta à brincadeira.

Quando adultos cometem interferências constantes, tentando ensinar as crianças a brincar corretamente, eles podem estar anulando outras possibilidades de construções internas que ocorrem naquele momento.

Cuidados como estes e outros, como respeitar os momentos das brincadeiras livres, onde podem correr e se movimentar, fazem parte da necessidade das crianças para que possam desenvolver-se plenamente, de forma sadia, física e emocionalmente.

Para que isso seja respeitado, é preciso que a sociedade atual tenha consciência e se preocupe em ter espaços públicos adequados e seguros para tornar viável esta necessidade vital do ser humano.

O Brincar é um direito político das crianças que une, por meio da Semana do Brincar, parceiros com as mais distintas origens para fazer parte desta ciranda. É um caminho de transformação social que tem como missão honrar o direito de ser criança.

O que é a Semana Mundial do Brincar?

Uma semana de mobilização promovida por todos os núcleos da Aliança pela Infância no Brasil e nos municípios parceiros que compartilham conosco suas experiências.

São manhãs e tardes de brincadeiras abertas para a comunidade, palestras e ciclos de debates, sempre com o tema do brincar, realizados graças a uma série de articulações.

Objetivo

Contribuir para o aumento da sensibilização e da consciência sobre a importância do brincar e o respeito que devemos ter por esta ação e compartilhar o impacto das consequências de termos cada vez menos tempo para esta ação na infância.

De que brincar estamos falando?

O brincar em que acreditamos é:
— Atividade essencial com fim em si mesma

— Instrumento de expressão e desenvolvimento da criança

— Resgate cultural das brincadeiras de rua e vivências lúdicas

— Fonte de aprendizado, transmissão de saberes e de educação para todos

— Expressão cultural que promove encontros entre membros de gerações diferentes

— Criador de vínculos sociais e de comunicação

— Lazer e fonte de prazer

Por quê?

A Aliança pela Infância no Brasil tem divulgado e incentivado a comemoração do Dia internacional do Brincar, desde sua criação. Para esta rede, o movimento que dissemina o Brincar é extremamente importante, pois acredita que as crianças precisam de tempo para ser crianças.

Como o movimento vem crescendo a cada ano, a comemoração do Dia Internacional do Brincar também se ampliou e conquistou cada vez mais adesões e parcerias, tendo se transformado na Semana Nacional do Brincar em 2010.

A Semana Mundial do Brincar é uma campanha de mobilização social de grande relevância para o trabalho da rede no Brasil. A Aliança pela Infância tem acompanhado o curso que este evento tem tido no país e seus desdobramentos. Acredita que ainda há muito por fazer neste âmbito, pois se trata da garantia de um dos direitos essenciais das crianças.

Como acontece?

São manhãs e tardes com oficinas e espaços abertos para brincadeiras, música, artes plásticas, teatro, danças, circo, leitura, contação de histórias, manifestações culturais tradicionais e atividades livres em espaços lúdicos com brinquedos não estruturados. Também há para adultos, a organização de palestras e debates sobre este tema.

As comemorações ocorrem em todos os núcleos da Aliança pela Infância e nos municípios que entram em contato com a gestão nacional da Aliança pela Infância, para desenvolverem ações em parceria. Para isso precisamos garantir que:

A participação nesta comemoração seja gratuita para todos;
As ações desta semana permitam a união de pessoas de idades e culturas diferentes;
O brincar seja tratado como uma ação com um fim em si mesma;
As ações desta semana promovam o brincar sob todas as suas formas: brincadeiras, momentos com brinquedos diferenciados, jogos de tabuleiro, jogos ao ar livre, brincadeiras tradicionais, e iniciativas como exposições, palestras, debates;
Nesta semana, nossos esforços sejam focados em promover a prática do brincar em espaços públicos e privados, instituições, escolas, na rua e na família.

Público-alvo

Crianças de até 12 anos de todas as classes sociais.

Beneficiários diretos

Crianças que participam diretamente dos eventos.

Adultos que participam acompanhando as crianças.

Beneficiários indiretos

Crianças que não participaram diretamente, mas que convivem com pessoas que participaram e que costumam replicar as brincadeiras e atividades significativas.

Execução

Identificar os locais em que o evento vai ocorrer, em parceria com a Aliança pela Infância;
Organizar e articular estas ações com o núcleo local da Aliança pela Infância – caso haja um no município;
Convidar profissionais de áreas diferentes para atuar voluntariamente na Semana do Brincar;
Definir a agenda;
Divulgar o evento em rede nacional por meio da gestão da Aliança pela Infância;
Identificar parceiros potenciais no local para execução em conjunto das ações;
Consolidar, com parceiros locais e nacionais, o apoio com a presença de monitores, segurança e equipe de saúde para a realização dos eventos;
Elaborar e executar a sistematização das ações que compõem a semana;
Acompanhar o número de crianças e adultos atendidos.

Onde se realiza?

Independentemente do local onde você esteja, basta apenas desejar fazer parte desta ciranda de pessoas conectadas ao mesmo objetivo: promover a consciência sobre a importância do brincar para todos os cidadãos.

Seja você também um voluntário nesta jornada em defesa de um dos direitos mais preciosos da infância!

Como fazer pó colorido (Holi powder)

O  festival holi ou Festival das Cores     é um  dos eventos mais fascinantes que existem no mundo  a explosão de cores  que é  realizado na Índia todos os anos.

Já pensou em chamar seus amigos e dar início a uma guerra de alegria e DIVERSÃO! Adorei a ideia e resolvi compartilhar no meu blog também.

kids-holi-india_64200_600x450 holi-indian-festival-kids

Ingredientes: Polvilho doce, anilina (comestível) e água.

Quanto mais anilina, mais forte e mais bonito o pó. E ainda adere mais ao corpo. Para 1kg de polvilho usaram aproximadamente 2 copos de 300ml de água com bastante anilina (a anilina pode ser em pó ou líquida. sendo que pra obter melhor resultado é preferível a líquida

Como Fazer: Primeiro coloque 1kg de polvilho doce em um balde. Aos poucos coloque a mistura da água com anilina e mexa. O polvilho vai ficar meio empedrado. Quebre as pedrinhas e misture bem a água com o polvilho. Tome cuidado para não ficar muito molhado. Caso passe do ponto e o polvilho endureça demais, coloque mais (polvilho) que ele amolece de novo. Depois abra essa mistura em alguma superfície tipo um tabuleiro e coloque para secar no sol. Ele fica bem seco depois de uns 4 dias. Por último é só peneirar ou bater no liquidificador, empacotar e pronto! E a dica: fazer com polvilho doce por causa do cheiro. É mais brando.

*Sai fácil do corpo e não mancha as roupas. Também é comestível e atóxico. Divirta-se!

Também tem um passo a passo nesse vídeo:

Fonte: Blog Vem pra rua menino!

TRILHAS DO BRINCAR

 A exposição lúdico-interativa Trilhas do Brincar apresenta brincadeiras de diversas regiões do Brasil e, ao mesmo, abre um espaço para que crianças e adultos relembrem e recriem suas brincadeiras. Os visitantes são recebidos por uma equipe de educadores responsáveis por apresentar os diversos espaços, brinquedos e brincadeiras presentes na exposição, além de estimular o público a propor novas brincadeira de seu repertório.

Esta semana fui no Sesc Santo André e pude participar dessa maravilhosa exposição. Muita parte do material utilizado era de origem reciclável.  A  gigantesca árvore central tinha suas folhas feitas com luvas de borracha usadas e seu tronco em retalhos de aglomerado. Unir brincadeiras regionais com uma visão sustentável é sem dúvida contribuir com a preservação planeta.

As brincadeiras e os brinquedos dos meninos do Brasil viajam simbolicamente por “caminhos” que cortam as regiões do país, deixando evidente que rodas cantadas, pega-pega, jogos do elástico ou da amarelinha não são demarcados por territórios específicos. O brincar não é “territorializado”, ele transita livremente de Norte a Sul, assim como de Leste a Oeste, do país.

Ela percorre o Brasil de norte a sul e de leste a oeste e destaca como a cultura infantil rompe as fronteiras geográficas. Em um grande quintal, brincadeiras das cinco regiões brasileiras surgem em instalações que mostram o rico léxico do brincar, as memórias de outras gerações e o caráter universal da cultura da infância, apesar de suas singularidades.

Curadoria                                                                                                                                                                                                                       Renata Meirelles e Gabriela Romeu

IMG_1053IMG_1061IMG_1068IMG_1069IMG_1070IMG_1073IMG_1086IMG_1088

Foto: Gabriela Diaz

SESC Santo André     
19/01 a 28/07.
De terça à sexta das 10h às 20h.
Sábados, domingos e feriados das 10h30 às 18h30.